Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Defesa pede liberdade à dona da Daslu

Eliana foi presa às 6h desta quinta em sua residência na capital paulista

Compartilhe

A advogada da empresária Eliana Tranchesi, Joyce Roysen, disse no final da tarde desta quinta-feira (26) que entrou com pedido de habeas corpus junto ao Tribunal Regional Federal (TRF) em São Paulo solicitando a libertação da dona da Daslu.

Eliana foi presa às 6h desta quinta em sua residência na capital paulista após a juíza da 2ª Vara Criminal de Guarulhos, na Grande São Paulo, ter aplicado uma sentença de 94,5 anos de prisão à empresária. Além do habeas corpus, a advogada também entrou com pedido formal junto à juíza de Guarulhos apresentando um relatório médico para justificar, se for o caso, uma prisão

De acordo com a advogada, a empresária tem câncer no pulmão e nos ossos e atualmente passa por tratamento radioterápico e quimioterápico. No relatório médico enviado à juíza, o Dr. Sérgio Daniel Simon, professor da Unifesp, afirma que Eliana está sob cuidados médicos desde o início do mês por possuir "adenocarcinoma de pulmão com metástases em coluna".

Como está passando por tratamento, ela possui "alto risco de infecção generalizada" e está tomando medicação diária. "Por esses motivos, creio que a mesma não deva permanecer em prisão comum, sendo mais seguro a prisão domiciliar com os cuidados médicos apropriados", conclui o médico.

Em entrevista coletiva no final desta tarde, Joyce criticou o tamanho da pena aplicada contra a empresária, classsificando a decisão da juíza como "um exagero e injusta." "A crueldade deste momento extrapola qualquer limite (...) Me parece que (a decisão) é para criar esse momento jurídico, causar esse impacto."

Pena de quatro anos

Questionada sobre qual seria a pena justa para a empresária, a advogada falou de absolvição, mas, logo em seguida, afirmou que em casos jurídicos como esse, em que não houvesse tanta atenção da mídia, a pena justa seria de quatro anos.

Para demonstrar o que chamou de "injustiça e desproporcionalidade" da sentença, Joyce citou algumas outras sentenças aplicadas em casos que tiveram grande repercussão. "No caso de Suzane Richthofen, 39 anos de prisão; Fernandinho Beira-Mar, 6 anos; Pimenta Neves, 19 anos; caso João Hélio; 45 anos; caso Champinha, 47 anos de prisão", afirmou.

A empresária foi presa às 6h desta quinta-feira em sua residência na capital paulista e levada provisoriamente para a penitenciária feminina do Carandiru, na Zona Norte. Ela era investigada pela Operação Narciso, iniciada em 2005, que apurou suspeitas de sonegação fiscal. A prisão dela foi pedida pelo Ministério Público Federal em abril do ano passado.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar