SEÇÕES

Doutor Jairinho e mãe de Henry são presos pela morte do menino

O casal é suspeito de atrapalhar as investigações, ameaçar e combinar versões de testemunhas

Casal foi conduzido pela Polícia do Rio | Reprodução
FACEBOOK WHATSAPP TWITTER TELEGRAM MESSENGER

A Polícia Civil do RJ prendeu nesta quinta-feira (8) o vereador carioca Dr. Jairinho (Solidariedade) e Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel, morto há um mês. Investigadores da 16ª DP (Barra da Tijuca) afirmam que o garoto foi assassinado.

Policiais descobriram que Dr. Jairinho agredia o menino com chutes e golpes na cabeça e que a mãe sabia disso pelo menos desde fevereiro.

O casal também é suspeito de atrapalhar as investigações e de ameaçar testemunhas para combinar versões.

Os mandados foram expedidos nesta quarta-feira (7) pelo 2º Tribunal do Júri da Capital. A prisão é temporária, por 30 dias.

Dr.Jairinho´é preso acusado de matar Henry (Foto: Reprodução TV Globo)


Mudança do casal

Os investigadores passaram a acompanhar os passos do casal há dois dias. Na noite desta quarta-feira, descobriram que eles não dormiriam nas casas de seus familiares em Bangu, na Zona Oeste do Rio, como vinha acontecendo desde a morte do menino, quando deixaram o condomínio na Barra da Tijuca.

Monique Medeiros, mãe de Henry, foi presa Foto: (Reprodução)

Jairinho saiu da casa do pai, o ex-deputado estadual Jairo dos Santos, o coronel Jairo, com um mochila e buscou a mulher na casa dos pais dela. Também com uma mochila, eles seguiram para uma outra casa na mesma região, onde passaram a noite.

Desde o dia 8 de março, os policiais ouviram pelo menos 18 testemunhas e reuniram provas técnicas que descartam a hipótese de acidente — levantada pela própria mãe da criança em seu termo de declaração na delegacia.

Além de dois laudos periciais, de necropsia e de local - realizado nas três visitas ao apartamento 203 do bloco 1 do Condomínio Majestic, no Cidade Jardim, na Barra da Tijuca - dados extraídos dos telefones celulares do casal, apreendidos no último dia 26, formaram um conjunto de elementos para embasar o pedido do delegado Henrique Damasceno, que comanda as investigações.

Os policiais descobriram ainda que, após o início das investigações, o casal apagou conversas de seus telefones celulares. Suspeitam, inclusive, que eles tenham trocado de aparelho. A perícia do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) usou um software israelense, o Cellebrite Premium, comprado pela Polícia Civil no último dia 31 de março, para recuperar o conteúdo.

Em relação a Monique, mãe de Henry, que namorava o vereador de 2020, os policiais levantaram informações sobre o comportamento dela após a morte do filho que chamaram a atenção. Primeiro que ela chegou a trocar de roupa duas vezes até escolher o melhor modelo, toda de branco, para ir à delegacia.

LEIA MAIS:

Pai de Henry Borel cobra explicações sobre morte: "Acordo chorando"

Polícia faz reprodução simulada da morte do menino Henry Borel

Caso Henry: Faxineira relata versão diferente da mãe do garoto



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos