Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Italiano Cesare Battisti é réu e responde ação penal por uso de documento falso no Brasil

Conforme a Justiça, Battisti responde a crime previsto no artigo 296 do Código Penal

Italiano Cesare Battisti é réu e responde ação penal por uso de documento falso no Brasil
Italiano Cesare Battisti | Divulgacao
Compartilhe

O italiano Cesare Battisti, 54, que nesta semana ganhou do governo Lula status de refugiado, responde a ação penal por uso de passaporte falso na 2ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. O processo corre desde maio de 2007. Em julho do ano passado, a denúncia do Ministério Público Federal foi aceita e Battisti se tornou réu.

Conforme a Justiça, Battisti responde a crime previsto no artigo 296 do Código Penal (uso de documento falso), cuja pena é de dois a seis anos de reclusão. A decisão do governo em nada altera o andamento da ação penal. Nesta semana, o processo entrou na fase dos depoimentos de testemunhas.

Condenado à prisão perpétua na Itália por assassinatos, Battisti fugiu da França para o Brasil em 2004. Por ser foragido da Itália, foi preso pela Polícia Federal no Rio em 18 de março de 2007. Após a prisão, a PF realizou operação de busca e apreensão no apartamento dele, no bairro de Copacabana.

Conforme denúncia do Ministério Público Federal, os policiais encontraram um passaporte francês falso em nome de Michel José Manuel Gutierrez, mas com a foto de Battisti, e um cartão de entrada e saída com carimbo da PF falsificado.

Segundo o Ministério Público, Battisti alegou que tinha passaporte francês falso porque "estava fugindo da França em razão do pedido de extradição formulado pela Itália".

Na terça-feira passada, Luiz Eduardo Greenhalgh, advogado de Battisti, participou de audiência de testemunhas na 2ª Vara Federal. Ele pediu ao juiz a devolução de um laptop no qual estaria digitado o corpo de um livro de Battisti, que é escritor. O Ministério Público concordou em devolver o computador, mas ficou com cópias dos arquivos gravadas em DVD.

O juiz federal substituto Rodolfo Kronemberg Hartmann registrou, na audiência, que Battisti não foi intimado a comparecer porque está preso "para fins de extradição pelo STF e sua presença seria essencial à luz do que foi exposto pelo advogado" Greenhalgh.

O advogado Fábio Antinoro, que também atua no caso Battisti, disse que o italiano não tinha outra alternativa a não ser usar passaporte falso para chegar ao Brasil. Disse acreditar que o status de refugiado será levado em conta pelo juiz.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar