Um homem, que não teve o nome revelado, foi preso suspeito de tentativa de estupro contra a filha da namorada, em Goiânia (GO). A menina, que tem 12 anos, estava em casa quando o homem teria entrado no apartamento da família, em Goiânia, sem ela perceber. 

Segundo a mãe da vítima, em entrevista ao g1, o acusado fez vídeos íntimos da adolescente e insistiu para que ela tirasse a roupa.

A própria filha gravou áudios do acusado e envio à mãe pedindo socorro. A menina escreveu: "mamãe, ele chegou de surpresa aqui em casa e eu não tinha visto. Daí ele começou a gravar uns vídeos íntimos meus. Mamãe, eu estou com medo".

Em mensagem enviada pelo WhatsApp, filha pede ajuda | FOTO: Reprodução/Bom dia GoiásEm mensagem enviada pelo WhatsApp, filha pede ajuda | FOTO: Reprodução/Bom dia Goiás

No áudio gravado pela menina, o padrasto insistia para que ela tirasse a roupa:

Padrasto: Deixa eu ver.

Adolescente: Ver o quê?

Padrasto: Ver você só uma vez.

Adolescente: Não! Para quê?

Padrasto: Qual é o problema? Só para ver. Ninguém sabe que eu estou aqui nem sua mãe. É só curiosidade.

Adolescente: Curiosidade de quê?

Padrasto: De ver você sem roupa. E aí eu vou embora. É sério. Segredinho nosso.

A mãe voltou correndo para casa e pediu ajuda ao ex-marido, pai da menina, que é policial militar. Ao chegar no prédio onde mora, ela encontrou o então namorado.

"Nós nos encontramos no hall de entrada no meu apartamento. Ele veio e eu falei: 'Cara, você é louco, você é doido, o que que você fez?' E ele falou: 'Não, não fiz nada'", contou a mãe.

A mulher disse que pegou o celular do suspeito e encaminhou os vídeos que foram feitos da filha. "São em torno de 17 vídeos curtos, porque ele ficou 30 minutos filmando ela sem ela perceber", relatou.

Acusado está solto

O suspeito passou por audiência de custódia em menos de 24 horas e foi solto pela juíza Maria Antônia de Faria. Na decisão, a magistrada entendeu que não houve intimidação da vítima e das testemunhas e que o homem não prejudicaria a instrução processual, uma vez que tem residência fixa e emprego.

A juíza destaca também que ele não fugiu ou resistiu à prisão, além de ser réu primário. Diante dos argumentos, a magistrada concedeu liberdade provisória mediante pagamento de R$ 1,1 mil de fiança. Mas estabeleceu medidas protetivas para a menina, entre elas, o padrasto não poderá se aproximar da enteada.

A mãe disse que namorava o homem há três anos, e que nunca tinha percebido comportamento suspeito. Ela teme que o homem seja ameaça para outras pessoas.

"Ele está sendo um perigo porque está solto. Ele acha que não fez nada, como sempre repetiu desde o momento da prisão. Então, se isso para ele é normal, será que ele deve mesmo ficar solto?", questionou a mãe ao g1.