Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Preso acusado de matar delegado no MA

A participação dele no crime foi a de ter monitorado os passos do delegado

Compartilhe

Foi preso no início da tarde de hoje (6), em Manaus, o último acusado do assassinato do delegado Stênio Mendonça. Segundo informações da Rádio Mirante AM, Carlos Antônio Martins dos Santos, era cunhado de "Bel". Ela era o único dos acusados que estava com o mandado de prisão em aberto desde 1997.

A participação dele no crime foi a de ter monitorado os passos do delegado e posteriormente ter dado fuga aos autores do assassinato de Stênio Mendonça.

Segundo informações, da Polícia Federal, que efetuou a prisão, Carlos Antônio Martins dos Santos estava sendo monitorado pelo Serviço de Inteligência da PF do Maranhão. Ele deverá ser transferido para São Luís, mas a data ainda não foi definida.

O crime

A morte do delegado Stênio Mendonça, ocorreu em 25 de maio de 1997, na Avenida Litorânea.

Domingo pela manhã, a trama foi refeita. Desde às 7h30, Antônio Carlos Martins, cunhado de Bel, monitorava os passos do delegado, posicionado estrategicamente próximo à sua residência, no Cohafuma.

Às 10h30, Carlos Martins telefonou para Bel informando que Stênio Mendonça saíra de casa com destino à praia. Carlinhos e Cabo Cruz rumaram, em um Fiat branco, para a Litorânea e se posicionaram próximo à praça, enquanto Joaquim Lauristo, em uma F-1.000 preta e sem placas, deslocou-se até o local em companhia de Lindenor Júnior, Zé Júlio e Ismael, enquanto Galdino e Marcelo, outros membros do bando, percorriam a área em um Ômega vinho, de Lauristo, para dar cobertura.

Após uma rápida conversa, Bel e Joaquim Lauristo ordenaram que Ismael passasse para o Fiat branco, onde estavam Carlinhos e Cabo Cruz, e seguissem para a praia da Marcela, onde estava Stênio. Ao se aproximarem do local, os dois pistoleiros desceram do carro. Zé Júlio também se aproximou, posicionando-se ao lado de um vendedor de coco, dando apoio aos dois pistoleiros.

Os dois primeiros disparos, que atingiram um dos olhos e a boca do delegado, foram efetuados por Ismael, que usava um revólver 357. Segundo testemunhas, Cabo Cruz também teria atirado. Os projéteis teriam transfixado o corpo de Stênio Mendonça, e por isso não foram encontrados nas diligências realizadas pelo Instituto de Criminalística (Icrim) e Instituto Médico Legal (IML). Nos exames balísticos, ficou comprovado que a única arma utilizada teria sido o revólver 357, ou seja, apenas Ismael teria atirado.

À tarde, por volta das 15h30, Joaquim Lauristo, Zé Júlio e Lindenor encontraram-se com o delegado Ribamar Pinheiro, na fábrica de sandálias de sua propriedade, no Tibiri. Lá, tomaram várias doses de uísque e conversaram sobre o crime. Fato este que se comprova não somente em depoimentos de testemunhas, mas pelos cerca de 10 telefonemas dados por Lauristo a Pinheiro, antes, durante e depois do crime, demonstrando a amizade entre eles.

Carlinhos foi preso no dia seguinte ao crime e Bel e seu bando, um mês depois. Preocupados em serem delatados pelos membros da quadrilha que estavam presos, o então deputado José Gerardo e Joaquim Lauristo teriam tentado a todo custo ?queimar os arquivos?. Primeiro, financiando o assassinato do Bando Bel, o que ocorreu um mês depois, e tentando soltar Carlinhos para que fosse executado em seguida, mas não conseguiu.

José Humberto Gomes de Oliveira, o Bel, e Cabo Cruz foram mortos durante uma chacina em Santa Luzia, quando eram levados para aquela cidade para depoimentos sobre um outro crime.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar