Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Daniel Dantas diz à CPI que foi vítima de grampos ilegais de Protógenes na Satiagraha

A operação investiga supostos crimes financeiros atribuídos ao banqueiro

Daniel Dantas diz à CPI que foi vítima de grampos ilegais de Protógenes na Satiagraha
Daniel Dantas depões na CPI | Divulgacao
Compartilhe

O banqueiro Daniel Dantas, do grupo Opportunity, disse hoje à CPI das Escutas Clandestinas da Câmara ser "vítima" de grampos ilegais realizados pelo delegado Protógenes Queiroz durante a Operação Satiagraha.

Dantas afirmou que, das 300 mil interceptações telefônicas realizadas na operação, grande parte tem origem ilegal. A operação investiga supostos crimes financeiros atribuídos ao banqueiro.

"Eu fui vítima de escuta ilegal pela estrutura coordenada pelo delegado Protógenes Queiroz. Não sei se a estrutura usada foi a da Polícia Federal ou da Abin [(Agência Brasileira de Inteligência]. O senhor Protógenes quer se colocar de vítima da situação", afirmou.

A reportagem não conseguiu falar com Protógenes. O advogado de Protógenes também não atendeu às ligações da reportagem. A assessoria da PF não vai se manifestar.

O banqueiro acusa Protógenes de agir em favor de "interesses empresariais" na Satiagraha. Na opinião de Dantas, o delegado repassou informações obtidas de maneira ilegal durante a operação para beneficiar empresas que tinham interesse na fusão da Oi com a Brasil Telecom.

O banqueiro negou ter espionado as ações do delegado durante a Satiagraha, como revelado por Protógenes à CPI no depoimento prestado na semana passada. "Nunca monitoramos o senhor Protógenes Queiroz. Eu só sabia que era uma investigação que acontecia a pedido do delegado Paulo Lacerda [ex-diretor geral da Abin]", afirmou.

O banqueiro disse, porém, que foi espionado pelo delegado durante as investigações da PF. "Eu tenho informações de que sim [fui espionado]. Não posso precisar de quem ou o quê. Mas tenho informações de que sim. E tenho informações de que na Satiagraha os grampos que foram feitos foram ilegais", afirmou.

A deputada Luciana Genro (PSOL-RS) ironizou a versão apresentada por Dantas à CPI. "Ou ele é injustiçado, ou um criminoso. O maior do colarinho branco no Brasil. Ele é o maior criminoso de colarinho branco que atua no Brasil. E tenta, por isso, desmoralizar a Polícia Federal, que é quem fez o trabalho que desvendou grande parte dos seus maus feitos."


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar