mais

Desembargadora Liana Chaib faz discurso em solenidade na APLJ em Teresina

A desembargadora parabenizou a Presidente da APLJ, Dra. Fides Angélica Ommati, que muito contribuiu e contribui para a história jurídica do Piauí

A desembargadora  do Tribunal Regional do Trabalho da 22.ª Região, Dra. Liana Chaib, realizou discursso na Academia Piauiense de Letras Jurídicas (APLJ), onde prestou homenagens a importância da Academia em sua vida e parabenizou  a Presidente da APLJ, Dra. Fides Angélica Ommati, que  muito contribuiu e contribui para a história jurídica do Piauí. 

Liana Chaiba é doutora em Direito Constitucional pela Universidade de Fortaleza. Mestre em Direito Constitucional, pela Universidade Federal do Ceará. Especialista em Direito Público – Área de Direito Administrativo, pela Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP e Professora de Direito Administrativo na Universidade Estadual do Piauí.

Desembargadora Liana ChaibDesembargadora Liana Chaib

CONFIRA DISCURSO NA ÍNTEGRA

SENHORAS E SENHORES,

Evoco, nesta noite, as palavras de Goethe: “cada momento, cada segundo é de um valor infinito, pois ele é o representante de uma eternidade inteira. “

Esse momento, para mim, representa perenidade, porque eterno é aquilo que fica gravado para sempre, que não se apaga da memória e do coração. Agradeço a Deus, por me permitir vivê-lo. Agradeço, também, à profa. Fides Angélica, pela lhaneza e benevolência do convite, que tanto me honra. 

Confesso que, a princípio, emudeci, diante da magnitude do evento e da pequenez dos meus atributos. Depois, aceitei o convite por desafio, por amor ao ideal aqui proclamado e por reverência a esta casa e a cada um de seus integrantes, bem como à memória de meu pai, Presidente de Honra da Instituição.

Não serei erudita, embora o local o permita, pois sempre acreditei na força das palavras mais simples, quando expressam mensagem genuína, sincera e honesta de propósitos.  

Tentarei traduzir os sentimentos que me envolvem nesse momento: emoção, respeito e reverência. 

Emoção de ver realizado aquele sonho comum que tiveram Balduíno Barbosa, Fides Angélica, Joaquim Bezerra, Jorge Chaib, Jose Eduardo Pereira, José de Ribamar Freitas e Raimundo Baptista.  Quem realiza um sonho, constrói uma parcela de sua própria eternidade, como disse Jorge Luis Borges. 

Reverência, por estar nesta casa que, mais que um sodalício, é um lugar sagrado: sim, sagrado, e explico o porquê: aqui se abriga uma das maiores riquezas humanas: o saber. Saber que nos constrói, enobrece a alma e nos liberta, para usar as palavras de Manuel Bandeira. 

Neste local, sob o manto sagrado da “Academia Piauiense de Letras Jurídicas”,   abriga-se   a maior de todas as armas: o conhecimento, uma força que atravessa os umbrais do tempo e das civilizações. Nada mais precioso; nada mais valoroso; sobressai-se ao ouro e à prata, como dito em Provérbios.

Ao ser consultado em sonho pelo Senhor, para que pedisse o que quisesse, que lhe seria concedido, o Rei Salomão pediu sabedoria.  Na mão direita, a sabedoria garante vida longa; na mão esquerda, riqueza e honra. 

Mas voltemos na memória, pois, como dito em Ovídio,  “os momentos fogem da mesma forma e da mesma forma se seguem”.

“Em 1981, os sete iluminados professores e juristas, em um lance de inspiração divina, fundaram a Academia Piauiense de Letras Jurídicas, sob a Presidência do professor Jorge Azar Chaib que escolheu, para Patrono no. 01, o Professor Valter Alencar, já então falecido.”

De pronto, vieram os reconhecimentos pela criação de um laboratório, onde a matéria prima e rara é o “direito”.  Na ocasião, Arimatéia Filho, em carta de congratulações que tenho em mãos, destacava a grandiosidade do ato:

“Já se fazia necessária entre nós a Academia Piauiense de Letras Jurídicas, que muito e muito poderá fazer; primeiro, pelo levantamento das obras publicadas nesse setor de inteligência – e segundo e ao mesmo tempo, pelo desenvolvimento dos nossos estudos de Direito. A ideia e o gesto foram de rara oportunidade.”

Esse foi o princípio de tudo, construído com um ideal comum de engrandecer as letras jurídicas, mediante o debate, a divisão de conhecimentos e o repositório de obras. Desde então, a cada ideia exposta, a cada palavra escrita, a cada frase pronunciada, uma faísca de esperança é lançada sobre a humanidade.  

O poeta indiano Tagore diz que “cada criança que nasce é uma prova de que Deus não perdeu as esperanças na humanidade”. E eu diria, parafraseando audaciosamente o poeta: cada livro que se escreve é um renovar de esperança divina no progresso do conhecimento humano.

As letras são a luz que nos tira da escuridão, que nos livra da ignorância e do embrutecimento. No nosso campo, o aperfeiçoar do Direito é o aperfeiçoar da vida em sociedade; é o que torna possível libertar o homem dele mesmo. Afinal, livre não é aquele que tudo pode fazer, mas aquele que tem consciência do que não pode fazer, em respeito ao próximo.

Aqui, nessa Casa, o compartilhamento do saber é instrumento de construção, não de dominação; de solidariedade, não de soberba; de conquistas, não de retrocesso.

Nadie es más que nadie, diz um provérbio de Castilla. ( ninguém que é mais que ninguém) e todos temos uma origem comum diz Jesus Gonzales Pérez : La humanidad, Laa cualidad de  ser hombres, la misma eminente dignidade de ser hijos de Dios. 

Sim, após 40 anos, vislumbra-se um Edíficio, mas que vale para além da sua forma arquitetônica. Este lugar é mais do que isto: ele tem alma, tem vida e vive na vida de cada jurista, de cada um dos confrades, de cada um que tem algo para oferecer, para dar, para contribuir com o progresso do nosso Estado. Ele vive em nós mesmos e viverá nas gerações futuras. Ele é um símbolo. O símbolo do ideal de uma justiça aperfeiçoada.   

Neste local, não posso deixar de registrar, esteve a Ministra Carmem Lúcia, integrante do Supremo Tribunal Federal, a quem foi outorgado o título de membro honorário da Academia. Isso, por si, já revela a solidez, a grandeza e a magnitude desta Instituição.  

Érico Veríssimo, ao falar da força da escrita, desabafou: “Tem-me animado até hoje a ideia de que o menos que o escritor pode fazer, numa época de atrocidades e injustiças como a nossa, é acender a sua lâmpada, fazer luz sobre a realidade de seu mundo, evitando que sobre ele caia a escuridão, propícia aos ladrões, aos assassinos e aos tiranos”.

Sim,  com a tocha acesa do saber, com a lança empunhada da coragem, cada um dos confrades pode,  olhar para o caminho percorrido e finalmente, proclamar, com Horácio:

 “ Exegi monumentum sere perennius” – levantei um monumento mais duradouro que o bronze, porque é o monumento que consagra o valor e o ideal da justiça e do direito.

Por fim, nesta representação da memória de meu pai, não poderia deixar de clamar também pela memória de todos os confrades que fizeram a história desta entidade e que hoje vivem, perpetuados, no simbolismo das suas realizações. Cada um, no seu tempo, marcou indelével passagem no esforço comum de aprimorar e fortalecer as instituições jurídicas.

QUERO, por fim, parabenizar a Presidente da Academia, FIDES ANGÉLICA DE C.V.MENDES OMMATI, que  muito contribuiu e contribui para a história jurídica do Piauí.  Mulher firme, sabedora do seu valor, ousou sempre, não desistiu nunca e seguiu serena e perene, como um rio que segue seu curso, na certeza de que seu exemplo será fonte de vida para tantos.  

Obrigada


Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail