Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Dilma diz que "não recuará" da decisão de baratear energia

Presidente discursou para plateia de empresários em encontro da indústria. Ela criticou "falta de sensibilidade" dos que não aderiram à medida

Compartilhe

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (5), em discurso a empresários durante o 7º Encontro Nacional da Indústria, em Brasília, que o governo federal ?não recuará? da decisão de reduzir o preço da energia no Brasil.

Nesta terça (4), o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, informou que a redução da tarifa da conta de luz deve ficar em 16,7% em vez dos 20,2% em média prometidos por Dilma no último dia 7 de setembro. Ele disse que a redução menor que a pretendida se deve à recusa das empresas Cesp (São Paulo), Cemig (Minas Gerais) e Copel (Paraná) de aceitar as condições do governo para participar do plano de diminuição dos custos da energia lançado pelo governo federal.

"Reduzir o preço da energia é uma decisão da qual o governo federal não recuará apesar de lamentar profundamente a imensa falta de sensibilidade daqueles que não percebem a importância disso agora para permitir que nosso país cresça de forma sustentável?, afirmou no discurso a presidente.

Dilma disse que reitera o compromisso de, em 2013, ?buscar mais esforços do governo federal para reduzir essas tarifas?.

A presidente disse que diminuir o preço da energia é ?tão importante quando a redução da taxa de juros, da taxa de câmbio?.

Ela afirmou que o corte das tarifas vai ?onerar bastante o governo federal?, mas deu o recado:

?Quando perguntarem para onde vão os recursos do governo, orçamentários do governo, uma parte irá para suprir a indústria brasileira e a população brasileira, aquilo que outros não tiveram a sensibilidade de fazer. Nós somos a favor da redução dos custos de energia no país e faremos isso porque é importante para o país?, declarou.

Segundo a presidente, o objetivo do governo era alcançar uma diminuição média de 22% nas tarifas.

"Para isso, nós adotamos duas medidas, ou melhor, dois conjuntos de medidas. Um conjunto que era reduzir os encargos nas tarifas de energia, notadamente a RGR, a CSS e Conta de Desenvolvimento Energético. Essas três tarifas, junto com o fim das concessões de energia elétrica, antecipação em alguns casos e o fim em outros, permitiram que a gente reduzisse em 20,2% essas tarifas?, afirmou.

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, disse que o corte nas tarifas de energia proposto pelo governo beneficia a indústria porque reduz os custos da produção.

?[Precisamos da] diminuição dos custos de produção para assegurar os necessários estímulos ao investimentos?, disse. Segundo ele, sozinha, a indústria responde por cerca de 43% do consumo de energia elétrica e diminuir a tarifa é necessário para estimular a economia.

A medida provisória que trata do pacote de energia ? e que está em tramitação no Congresso -, é de ?extrema importância para o setor?, disse Andrade. ?Com essas medidas, vamos ter redução dos custos dos produtos?, declarou o presidente da confederação.

Medidas para investimento

Durante o evento, Dilma afirmou também que o Plano de Sustentação da Indústria (PSI) para 2013 será anunciado na tarde desta quarta (5) pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. O programa compreende linhas de crédito para bens de capital (máquinas para produção), inovação e pré-embarque de exportações.

?Hoje à tarde o ministro da Fazenda Guido Mantega irá anunciar o PSI para todo 2013. Nós iremos assegurar que o sistema atual do PSI através do BNDES seja um sistema muito efetivo. Ampliaremos os recursos para mais de R$ 80 bilhões. Ao mesmo tempo estamos tentando fazer um PSI direto, com o sistema privado financeiro nacional. E isso o ministro irá anunciar hoje à tarde no horizonte para 2013?, afirmou Dilma.

Segundo a presidente, o governo também pretende lançar, até o final de dezembro, um plano de investimentos para os aeroportos regionais, ?além de novas concessões aeroportuárias para os aeroportos chamados centrais?, afirmou.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar