Há mais de 20 anos o Grupo Meio Norte de Comunicação iniciou uma parceria com o Amostragem, um dos institutos de pesquisa com maior acerto nos resultados eleitorais do país. Ao longo de mais de duas décadas, o Amostragem se notabilizou pela seriedade, competência e lisura.

Tais indicativos são demonstrados em números, ao estabelecer uma linha histórica com o comparativo entre a projeção apontada na pesquisa de intenção de voto coletada pelo Instituto e o resultado oficial nas urnas. Um exemplo é a eleição à Prefeitura de Teresina em 2020, em que o Amostragem acertou no primeiro e segundo turno.

No levantamento do turno inicial, Dr. Pessoa aparecia com 37,43% das intenções de voto; nas urnas ele alcançou 34,53%; na segunda colocação aparecia Kleber Montezuma com 27,79% das intenções, no resultado oficial ele alcançou 26,70%; todos dentro da margem de erro de 3,39% da pesquisa. No segundo turno a assertividade se manteve.

Amostragem acertou resultado do pleito de 2018 (Divulgação)Amostragem acertou resultado do pleito de 2018 (Divulgação)O desempenho louvável do Instituto também foi observado em 2018 na disputa ao Governo, em que a pesquisa apontava Wellington Dias com 57,39% e Dr. Pessoa com 21,76%; o resultado oficial trouxe o ex-governador com 55,65%, sendo reeleito em primeiro turno, e Dr Pessoa com 20,48%.

Em 2016 na corrida pela Prefeitura de Teresina o Instituto também acertou ao apontar a vitória de Firmino Filho no primeiro turno com 54,6%; nas urnas ele alcançou 51,14%, vencendo o pleito.

Na eleição de 2014, o Amostragem apontava uma vitória de Wellington Dias com mais de 30 pontos de vantagem, tendência confirmada no resultado oficial. Ao se ampliar a comparação para 2004 observa-se o Instituto apontando Silvio Mendes com 54% e Adalgisa Moraes Souza com 37; nas urnas ele obteve 55,3% e a candidata 39,2%.

Batista Teles é diretor do Instituto Amostragem (Divulgação)Batista Teles é diretor do Instituto Amostragem (Divulgação)Seriedade e segurança das pesquisas

O diretor do Instituto Amostragem, Batista Teles, estatístico com mais de três décadas de experiência, detalha o processo de realização de uma pesquisa de intenção de voto, reverberando toda a seriedade da equipe envolvida.

"Dentro de cada município desse as equipes que são treinadas saem pesquisando nas residências, nossa pesquisa é presencial, face a face na residência, não pode fazer no meio da rua, não pode fazer na praça, não pode fazer em estabelecimento comercial, e dentro da casa entrevistamos um eleitor residente naquele município e esse eleitor tem que se encaixar, aí que entra a chamada amostragem por cotas, o entrevistador, o pesquisador, ele sabe quantas entrevistas ele deve fazer em cada sexo, masculino e feminino, em cada faixa de idade e renda, hoje em dia está muito bom pois tudo é feito dentro de um aplicativo, o Instituto Amostragem utiliza hoje não mais os questionários impressos, mas tudo dentro do tablet e celular e a gente faz o controle; o pesquisador sabe que ele teve que fazer por exemplo cinco entrevistas masculinas, se ele vai fazer a sexta não faz, ela sobe", pontuou.

Sobre a tendência para a eleição majoritária deste ano, ele sinaliza que a pesquisa mais recente para o Governo do Piauí traz um empate técnico, não sendo possível fazer uma previsão no momento. "Absolutamente empatada a disputa para o Governo do Estado. Esses números indicam segundo turno na eleição estadual e não podemos dizer se há preferência por um ou por outro. 1,7 é muito baixo para fazer qualquer, momentaneamente, previsão", concluiu.