DANIELLE BRANT

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS)

Em sua quarta disputa presidencial, Ciro Gomes (PDT) declarou ter R$ 3,04 milhões em bens ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Em relação ao patrimônio informado à Justiça Eleitoral em 2018, houve um crescimento próximo de 40% se atualizada a correção pelo IPCA. Já a evolução nominal (sem considerar a inflação) beirou 80%, diante do R$ 1,7 milhão declarado naquele ano.

O presidenciável disse à Justiça Eleitoral ter duas casas, somando R$ 460 mil, mesmo total informado em 2018. Também afirmou possuir dois apartamentos, um de R$ 687,1 mil e outro de R$ 381,2 mil.

Ciro Gomes declara patrimônio de R$ 3 milhões ao TSE - Foto: Marcelo Camargo/Agência BrasilCiro Gomes declara patrimônio de R$ 3 milhões ao TSE - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Quatro anos atrás, Ciro declarou o imóvel de R$ 381,2 mil e outro apartamento de R$ 365,9 mil -que não aparece na relação de bens de 2022. Não há mais detalhes sobre os imóveis na declaração divulgada pelo TSE.

Nas duas declarações, Ciro informou ter dois veículos: um de R$ 85 mil e outro de R$ 105 mil. A relação de bens não traz detalhes sobre os automóveis.

A lista divulgada pelo TSE mostra que o pedetista declarou cerca de R$ 1 milhão em crédito decorrente de alienação, ou seja, pela venda de algum bem. Também traz um plano de previdência privada do tipo VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) de R$ 28,5 mil e quase R$ 32 mil em dinheiro em espécie, além de um empréstimo de R$ 36 mil.

Ciro é o oitavo presidenciável a prestar contas sobre seus bens ao TSE. Líder nas pesquisas de intenção de voto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) declarou à corte ter um patrimônio de R$ 7, 4 milhões.

O valor é inferior ao declarado por Lula em 2018, quando afirmou ter R$ 8 milhões –na época, ele teve a candidatura barrada pela Lei da Ficha Limpa e foi substituído por Fernando Haddad (PT).

Em seu maior bem declarado este ano, o petista disse à Justiça Eleitoral ter R$ 5,5 milhões em aplicação de previdência privada do tipo VGBL. A aplicação também era o seu maior bem informado em 2018.

Lula afirmou ainda possuir três terrenos, de R$ 265 mil, R$ 130 mil e R$ 2,7 mil. Informou também dois veículos, de R$ 48 mil e R$ 85 mil, e três apartamentos: um de R$ 94 mil e dois de R$ 19 mil.

Já senadora Simone Tebet (MDB-MS) declarou ser dona de sete apartamentos, duas casas e quatro terrenos, além de ter R$ 59 mil na conta corrente, o que totaliza R$ 2,3 milhões.

Na última eleição de que participou, em 2014, havia declarado um patrimônio de R$ 1,57 milhão –em 2008, quando se reelegeu prefeita de Três Lagoas (MS), declarou que tinha R$ 1,29 milhão em bens.

Candidato do Novo, Felipe D'Avila, por sua vez, informou ter R$ 24,6 milhões. Vera Lúcia, do PSTU, informou ao TSE ter R$ 8.805 em bens –os recursos estão na poupança.

Sofia Manzano, do PCB, indicou ter R$ 498 mil, enquanto Léo Péricles, da UP (Unidade Popular), tem R$ 197,31 -também na poupança.

O coach Pablo Marçal, cuja candidatura vive um impasse, informou ter R$ 16,94 milhões ao TSE. Na sexta-feira, a corte concedeu liminar à ala do Pros (Partido Republicano da Ordem Social) que defende apoio a Lula.

Com a decisão do ministro, que também integra o STF (Supremo Tribunal Federal), Eurípedes Jr. volta ao comando da legenda, desbancando Marcus Holanda, que tenta emplacar a candidatura presidencial de Marçal.