Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Em quatro anos, Piauí lidera crescimento na receita em todo o país

Estado teve o 3º menor crescimento no número de inativos

Compartilhe
Google Whatsapp

Com o início de uma nova gestão nos Estados neste mês, a Folha de São Paulo divulgou na segunda-feira, 07 de janeiro, um panorama fiscal dos entes fedetivos. O levantamento, feito através de dados oficiais repassados pelo Ipea (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas), aponta que o Piauí liderou o crescimento na receita entre 2014 e 2018. A alta foi de 8,1%, na segunda colocação apareceu o Mato Grosso com 7,3%, seguido pelo Paraná, com 6,3%. Apenas oito Estados apresentaram crescimento real nas receitas, o que revela a dificuldade enfrentada pelos Estados no período com a arrecadação, em meio as turbulências provocadas pela crise econômica e política, que culminou no impeachment da presidente (na época) Dilma Rousseff (PT).

No Brasil, a retração média foi de 4,4%; assim, os Estados que tiveram a maior redução na receita real foram Rondônia (-23%), Acre (-13,8%) e Espírito Santo (-12,9%). O estudo considera os efeitos da inflação no período, por isso, a queda acentuada na maioria dos entes federativos.

A situação fiscal equilibrada do Piauí pode ser evidenciada ainda pelo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) nos últimos anos; chegando a 72,7% entre 2002 e 2016, apresentando uma média anual de elevação na faixa de 4%. Além disso, recentemente Tesouro Nacional elevou a nota do Piauí de C para B, o que tornou o Estado elegível para novos empréstimos e operações de crédito.

\"
(Crédito: Folha de S. Paulo)


Estado teve o 3º menor crescimento no número de inativos

O levantamento da Folha ainda destaca que o Piauí teve o terceiro menor crescimento no número de inativos no período entre 2014 e 2017, chegando a 1,9%, ficando atrás apenas de Goiás e Roraima que não registraram elevação no período. Com isso, apesar da elevação nas despesas com aposentados e pensionistas, o Estado conseguiu manter um patamar capaz de ser compensando.

Mesmo com tal indicativo, a Previdência continua sendo o maior gargalo da atual administração, haja vista que no ano passado estima-se que R$ 1 bilhão foi aplicado pelo Governo para pagar os benefícios, haja vista que a arrecadação previdenciária não foi suficiente para suprir a demanda.

Ações como a inserção do Piauí na Prev-Nordeste, uma previdência complementar dos entes nordestinos, vem sendo implementadas para conter essa problemática.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se