O deputado federal Fábio Abreu (PSD) concedeu entrevista nesta quinta-feira, 23 de junho, ao Agora, da Rede Meio Norte. Na ocasião, o parlamentar piauiense adiantou que não assinará o pedido para abertura da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Petrobras, sinalizando que funcionaria apenas como uma ‘cortina de fumaça’ e não resolveria de fato os problemas da população com o preço dos combustíveis.

“Não assinei e nem vou assinar a CPI da Petrobras, apenas uma cortina de fumaça, tirar o foco do problema que a população passa, o Governo tem que resolver esse problema, não tem que criar factoide”, disse. De acordo com Abreu, o presidente Jair Bolsonaro tem o poder de indicar o líder da estatal e conselheiros fiscais, então tem como obter acesso às informações e tomar uma atitude.

No que se refere a CPI do MEC, Abreu defendeu, destacando que outras pessoas podem estar envolvidas nos supostos ilícitos.

“É apenas o inicio de processo, e sabemos se existiu motivo para a prisão desse ministro, sem dúvida há mais pessoas envolvidas. Sendo instalada a CPI do MEC veremos mais fatos sendo descobertos, mas está no âmbito do Senado”, frisou.

Fábio Abreu em entrevista ao Jogo do Poder (Foto: Apoliana Oliveira)Fábio Abreu em entrevista ao Jogo do Poder (Foto: Apoliana Oliveira)Emendas 

Na entrevista, Abreu ainda apontou a destinação de R$ 1 milhão para a compra de viaturas que auxiliarão no combate a incêndios em quatro municípios piauienses: Parnaíba, São Raimundo Nonato, Picos e Floriano.

Ao todo, serão seis viaturas entregues; elas contam com uma bomba tanque. A demanda, de acordo com o deputado federal, é recorrente. 

“Essa questão dos recursos temos como meta principal indicar para a Segurança Pública e os Bombeiros fazem parte desse processo, inicialmente fiz essa indicação de R$ 1 milhão para a Guarda de Teresina, infelizmente com a burocracia e a falta de alguns documentos não foi possível indicarmos essa emenda e para não perder, uma situação muito importante que sempre presenciamos no Corpo de Bombeiros foi o combate aos incêndios, e conversamos com o coronel Rêgo e ele fez esse pedido de indicar esses recursos para a compra desses kit, que é a caminhonete, com uma bomba tanque em cima, que faz aquele combate direto a mais focos”, afirmou. 

Fábio Abreu pontuou que em dezembro ele esteve no Ministério da Justiça para acelerar a emenda, além desta, o parlamentar destinou recursos para a compra de veículos para o Conselho Tutelar, que serão entregues amanhã (24), em agenda com a ministra da Família, Mulher e Direitos Humanos, Cristiane Britto.

“Já tinha entregue vários kit de Conselho Tutelar e nós defendemos muito esses conselheiros. Ano a ano eu indico recursos para os Conselhos Tutelares”, lembrou. 

Fábio Abreu em entrevista ao Jogo do Poder (Foto: Apoliana Oliveira)Fábio Abreu em entrevista ao Jogo do Poder (Foto: Apoliana Oliveira)Fábio Abreu em entrevista ao Jogo do Poder (Foto: Apoliana Oliveira)Abreu recordo que quando estava atuando na Polícia, dava muita carona para conselheiros tutelares, pois ainda falta estrutura e eles ficam dependendo muito dos prefeitos.

“No meu entendimento, o Conselho Tutelar tem que estar ligado diretamente ou ao Ministério da Justiça ou ao Ministério da Cidadania”, disse.

Sobre a agenda com a ministra de um grupo político distinto ao dele, o parlamentar ponderou. “Acima de tudo levarmos em consideração o benefício para o Estado do Piauí”, disse.

Fábio Abreu em entrevista ao Jogo do Poder (Foto: Apoliana Oliveira)Fábio Abreu em entrevista ao Jogo do Poder (Foto: Apoliana Oliveira)Fábio Abreu em entrevista ao Jogo do Poder (Foto: Apoliana Oliveira)

“Não temos o que comemorar”, diz sobre a gestão federal 

Questionado sobre o posicionamento em relação ao Governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), Fábio Abreu sinalizou que os agentes de segurança ‘não tem o que comemorar’

Inclusive, o parlamentar destacou que os soldados da reserva remunerada estão tendo até R$ 500 descontados, pois foram incluídos na Reforma da Previdência. 

“Infelizmente não temos o que comemorar, não temos o que apresentar por parte  do presidente Bolsonaro fez para os militares,  aos civis, aos Policiais Rodoviários, que estão revoltados, porque foi anunciado um aumento e não será efetivado. Nossos soldados foram incluídos na Reforma da Previdência, e hoje num soldado que está na reserva remunerada, tem um desconto na faixa de R$ 400, R$ 500, algo que não acontecia antes dessa gestão”. 

O parlamentar ainda complementou. “Procuro manter a coerência, não sou contra qualquer ação que venha a beneficio da população, mas as que forem prejudiciais eu sou contrário”.