mais
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Governadores do NE se reúnem para cravar decisão sobre a Sputnik

Sem o aval da Anvisa, os líderes estaduais dialogam sobre os próximos passos, tendo em vista a decisão liminar que permite a importação por alguns entes

Por Francy Teixeira.

Após a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) deliberar contra a importação da Sputnik V, os governadores nordestinos devem se reunir nesta terça-feira (27) para uma definição em torno do imunizante russo. 

Com a liminar concedida pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, que permite a alguns Estados, inclusive o Piauí, a importação a partir do dia 29 de abril (quinta-feira), os líderes estaduais discutirão sobre os próximos passos a serem tomados, inclusive junto ao próprio STF e à Anvisa. 

Flávio Dino indica que vai ouvir os cientistas brasileiros e russos para tomada de decisão (Foto: CCOM Gov. MA)Flávio Dino indica que vai ouvir os cientistas brasileiros e russos para tomada de decisão (Foto: CCOM Gov. MA)

"Sobre decisão da Anvisa quanto à vacina Sputnik, irei aguardar manifestação técnica de cientistas brasileiros e russos. Posteriormente, teremos reunião com governadores da Amazônia e do Nordeste para avaliar fundamentos técnicos, a serem apresentados ao STF e à própria Anvisa", indicou o governador maranhense Flávio Dino (PC do B).



COMITÊ CIENTÍFICO RECOMENDA USO DA VACINA RUSSA

Na contramão da Anvisa, o Comitê Científico do Consórcio Nordeste emitiu nota técnica na segunda-feira (26) recomendando a importação da vacina russa Sputnik V pelos Estados da região. 

Coordenado por Sergio Rezende e Carlos Gabas, o Comitê reverbera a preocupação dos governadores com os entraves na liberação dos imunizantes, pontuando a comprovação da eficácia da Sputnik V.

"O Consórcio Nordeste e os nove governos estaduais que o integram, extremamente preocupados com as dificuldades de disponibilidade de vacinas para o Brasil, conseguiu avançar na negociação de doses deste Instituto para o país e aguarda a aprovação da ANVISA para que possamos contar com mais uma opção de vacina", pontua a nota.

Neste âmbito, o Comitê ainda destaca o resultado da amplicação da vacina na Argentina e Hungria, em que não foram identificados efeitos adversos graves. "A Argentina e a Hungria já anunciaram resultados iniciais de efetividade com esta vacina e foram bastante promissores. Na Hungria, onde foram administradas mais de 200 mil doses, a resposta desta vacina foi superior a de outras plataformas. O monitoramento de eventos adversos na Argentina comprovou os dados do estudo de fase 3, onde a maioria dos eventos adversos foram considerados leves, tornando a possibilidade de o Brasil contar com uma vacina imunogênica e segura", aponta.

CONFIRA O DOCUMENTO NA ÍNTEGRA

 

Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail