O vereador Jeová Alencar, presidente da Câmara Municipal de Teresina, deixa o MDB para se filiar ao Republicanos. Em entrevista ao Jornal Meio Norte, o parlamentar afirma que vai seguir uma posição neutra no pleito para o Governo do Estado, em atenção ao novo partido que agora lhe abriga. Ou seja, o parlamentar ainda não definiu apoio nem a Rafael Fonteles (PT), seu antigo aliado, nem a Silvio Mendes (União Brasil).

O novo filiado está otimista com a chapa, que é apontada como a "terceira via", mesmo sem a consolidação de uma chapa para Senado e Governo do Estado

"Vamos fazer 3 a 4 deputados estaduais e um federal com sobra. Vou apoiar quem o partido decidir. O partido ainda não decidiu, então estamos neutros. Vou acompanhar o partido para onde ele for", disse Jeová Alencar. 

Jeová Alencar se filia ao Republicanos e assume neutralidade para o Governo (Foto: Divulgação)Jeová Alencar se filia ao Republicanos e assume neutralidade para o Governo (Foto: Divulgação)

Jeová Alencar se filia ao Republicanos e assume neutralidade para o Governo (Foto: Divulgação)Jeová Alencar se filia ao Republicanos e assume neutralidade para o Governo (Foto: Divulgação)

O prefeito Doutor Pessoa, que fez uma filiação simbólica ao partido, com ainda incerta relação com o MDB, participou da filiação do colega de "partidos", tanto o MDB como o Republicanos. A cerimônia aconteceu na Câmara Municipal de Teresina, sob fortes protestos de professores, que permanecem em greve em razão do reajuste salarial

Doutor Pessoa participou da filiação de Jeová Alencar. Crédito: Lucrécio Arrais.Doutor Pessoa participou da filiação de Jeová Alencar. Crédito: Lucrécio Arrais.

Para o prefeito Pessoa, a terceira via está forte

"Estamos com o deputado estadual Gessivaldo, a deputada federal Marina, o Jeová se filiando ao Republicanos. Além de outras pessoas. Tem o Jeová, a Dra. Marina, o Robert Rios, o Ministro João Henrique. Tem muita gente para a terceira via. Para governador não tem porque está muito em cima. Mas não está descartado 100%", declarou. 

Filiação oficial de Doutor Pessoa no Republicanos fica para abril 

Sobre a filiação simbólica ao Republicanos no dia 16 de março, Doutor Pessoa disse que vai deixar para se filiar oficialmente em abril. 

Doutor Pessoa disse que se filia oficialmente em abril. Crédito: Lucrécio Arrais.Doutor Pessoa disse que se filia oficialmente em abril. Crédito: Lucrécio Arrais.

"O pessoal de Brasília, o Marco Pereira e o vice-presidente General Mourão, querem vir para minha filiação. Então fica para abril, definitivamente", aponta. 

Crise sindical 

O prefeito Doutor Pessoa segue em uma grave crise sindical que afeta a educação e o transporte público. Sobre a educação, o prefeito afirma que é inviável conceder o reajuste de 33%. "O diálogo permanece aberto", disse. Sobre o transporte público, o chefe do executivo muncipal foi enfático: "a culpa da crise é 100% dos empresários"

O outro lado 

De acordo com Joaquim Monteiro, diretor de imprensa do Sindicato dos Servidores Municipais de Teresina (Sindserm), representante dos professores, o prefeito Doutor Pessoa está contra a classe trabalhadora. 

Joaquim Monteiro, representante dos professores. Crédito: Lucrécio Arrais.Joaquim Monteiro, representante dos professores. Crédito: Lucrécio Arrais.

"Ele debocha dos professores. Ele disse que 33%, nosso reajuste garantido por lei, é impossível, que é a idade de Cristo", aponta. 

Em entrevista ao Jornal Agora, a assessora jurídica do Setut, Naiara Moraes, afirma que é impossível a resolução do impasse sem uma contrapartida da prefeitura. 

"Esse acordo entre patrões e trabalhadores só vai poder acontecer quando o município de Teresina assumir o compromisso com a população em relação ao cumprimento do contrato administrativo", revela. 

A advogada afirma que a Prefeitura Municipal de Teresina inviabiliza o sistema de transporte público na cidade. 

"Sem esse cumprimento do contrato em que a Prefeitura arca com a diferença entre o valor arrecadado em catraca e o custo da operação, não é possível que o empresariado, não tem como oferecer uma proposta, e fica impossível assinar uma convenção, esperando um aumento nos passageiros", finaliza.