O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), recebeu nesta quarta-feira (13) o pré-candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, para um almoço na Residência Oficial do Senado, em Brasília.

A assessoria do ex-presidente não divulgou a pauta do encontro, que também contou com a presença do pré-candidato a vice-presidente na chapa de Lula, Geraldo Alckmin.

Segundo o líder do PT no Senado, Paulo Rocha (PA), um dos articuladores do encontro, a intenção é de uma "conversa institucional” entre Pacheco e Lula. A bancada do PT no Senado trabalhava desde abril para agendar o encontro.

Rodrigo Pacheco ainda não anunciou qual candidato apoiará na disputa presidencial em outubro. Ele chegou a figurar como pré-candidato do PSD à Presidência, mas recuou da candidatura. O partido, comandado por Gilberto Kassab, deve liberar os filiados para declarar apoios.

Lula,  Alckmin, Rodrigo Pacheco, e parlamentares após encontro em Brasília Foto:Ricardo StuckertLula,  Alckmin, Rodrigo Pacheco, e parlamentares após encontro em Brasília Foto:Ricardo Stuckert

Ao anunciar o encontro na última segunda (11), Pacheco classificou a agenda como algo “natural”.

“Qualquer ex-presidente da República que queira se encontrar com o presidente do Senado, é minha obrigação receber. Então, considero que é algo muito natural. Receberei qualquer bancada que deseje ter esse encontro com a Presidência do Senado”, afirmou.

O encontro com o presidente do Senado faz parte de uma série de encontros de Lula com políticos e autoridades.

No início do mês, ele se reuniu em São Paulo com o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa.

O encontro com Lula levou o presidente Jair Bolsonaro (PL), segundo colocado nas pesquisas de intenções de voto, atrás do ex-presidente, a cancelar um compromisso previamente agendado com o presidente português.

Mobilização de parlamentares

Em Brasília desde a noite de segunda, o ex-presidente tem recebido, no hotel em que está hospedado, parlamentares que integram o arco de alianças de sua campanha à Presidência.

Nesta quarta, Lula participou de um encontro com cerca de cem deputados e senadores em um auditório no centro da capital. Ele discursou por pouco tempo e posou para fotos com os congressistas.

Segundo os participantes, o ex-presidente voltou a pedir para que não cedam a provocações de adversários. A tônica é a mesma adotada pelo conselho político da campanha de Lula e Alckmin na última segunda-feira, um dia após o assassinato de um tesoureiro do PT em Foz do Iguaçu por um apoiador do presidente Jair Bolsonaro.

Lula disse ainda que se eleito precisará de uma ampla base de congressistas alinhados para governar.

A poucos dias das convenções partidárias que vão definir os candidatos nas eleições de 2022, o ex-presidente também tem recebido parlamentares em busca de apoio nas disputas regionais.