Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
Jornal Agora

OAB aprova pedido de impeachment contra Michel Temer

Compartilhe

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) decidiu pedir o impeachment do presidente Michel Temer. O encontro, convocado extraordinariamente para a tarde de sábado (20), entrou pela madrugada de domingo (21). Foram 25 votos a favor e um contra. A maioria dos conselheiros federais da entidade considerou que as condutas do presidente, reveladas pelo empresário Joesley Batista, do grupo J&F, podem configurar crime de responsabilidade.

O conselheiro federal da OAB-Piauí, Celso Barros Neto, durante entrevista ao vivo para o Agora da Rede Meio Norte, afirmou que votou a favor da abertura do processo de impeachment e explicou quais são os próximos passos.

Celson Barros Neto (Crédito: Rede Meio Norte)
Celson Barros Neto (Crédito: Rede Meio Norte)

“Esse processo de impeachment é inicial pela figura proponente do processo de impeachment. Esse processo é similar ao ocorrido com a ex-presidente Dilma Rousseff, que deixou o governo. Será feita uma petição protocolada junto à Câmara dos Deputados, e o presidente da casa, Rodrigo Maia, vai dar admissibilidade ou não ao processo de impeachment. Tudo isso dependerá dele a partir de agora, se aceita ou não”, afirmou.

Segundo o conselheiro federal, há outros pedidos de impeachment apresentados e a OAB está elaborando seu próprio pedido de afastamento do presidente Temer. “A Ordem dos Advogados do Brasil está elaborando o seu próprio pedido de impeachment, porque entende que foram cometidas algumas irregularidades, atos ilícitos administrativos e inconstitucionais. Nós estamos em um momento do país muito instável, e essa instabilidade se torna mais evidente com a gama de pedidos de impeachment contra Temer”, observou.

De acordo com o conselheiro, a Câmara abrirá amplo espaço para que o presidente faça sua defesa e para saber se houve ou não o crime de responsabilidade fiscal.

“Foi divulgado que esses áudios teriam sido editados, e se houve ou não edição, isso não vem ao caso. Os fatos são: o presidente disse que a voz não era dele nos áudios, não afirmou que recebeu os empresários da JBS na residência oficial altas horas da noite e sem a agenda formalizada e divulgada para a sociedade. Esses fatos são graves: recebimento de um empresário suspeito na calada da noite, sem agenda prévia e pior ainda: não informar as autoridades públicas aqueles fartos narrados pelos empresários. Essas omissões, no entendimento da OAB, nós acreditamos que houve o crime de responsabilidade, de imoralidade pública. Houve falta de decoro por parte do presidente”, enfatizou”, enfatizou.


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar