Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
Jornal Agora

Passagens estudantis não devem ser congeladas em Teresina

Compartilhe

O preço das passagens de ônibus coletivos deve ser reajustado pela Prefeitura de Teresina nos próximos meses. De acordo com uma planilha de gastos elaborada pela Strans - Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito, o valor pode subir para R$ 3,30. 

Durante sua posse, no último domingo (01), o prefeito Firmino Filho chegou a anunciar que o preço das passagens estudantis permaneceria congelado, mas, nesta segunda-feira (02), afirmou que o valor dificilmente permanecerá o mesmo. A passagem estudantil já está congelada em Teresina há cinco anos.

De acordo com Ricardo Freitas, representante da Strans, o conselho volta a ser encontrar nesta terça-feira (03) para definir o valor da passagem e encaminhar a planilha para o prefeito Firmino Filho. De acordo com ele, a planilha já está consolidada e se o prefeito decidir manter o preço da passagem estudantil congelado, o subsidio da prefeitura para as empresas deverá ser maior. 

"Nós temos uma planilha que foi apresentada aos conselheiros e que deve ser analisada amanhã, quando será batido martelo e será levada ao prefeito para que ele defina qual será o reajuste. Se a passagem estudantil se manter em R$1,05 o valor do subsidio da prefeitura para as empresas deve ser maior, essa discussão será uma discussão a nivel de decisão do prefeito. A planilha de custo apresentada está consagrada e será levada para à sua consideração, se ele já anunciou que irá manter o cogelamento, naturalmente que ele tende a tentar fazer valer o que ele deseja”, afirmou. 

Ricardo Freitas destacou que vários fatores contribuem para o reajuste da passagem, entre eles a manutenção dos veículos e despesas com combustível. De acordo com ele, o reajuste previsto para os estudantes será equivalente à inflação do período. 

"São muitos os fatores, temos os custos fixos, que é a manutenção, operação, despesas administrativas e temos os custos variáveis, como combustível, pneus e acessórios. Esses dois fatores juntos dão um valor por quilometro, que dividido pelo índice de passageiros por quilometro nós temos o custo do passageiro. Normalmente essa planilha e levada ao conselho, que tem representantes sindicais, estudantis. 




Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar