Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
Jornal Agora

Marcus Vinícius defende fim do financiamento milionário de empresas em campanhas políticas

Compartilhe

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil(OAB), Marcus Vinícius Furtado, participou do quadro Bastidores da Política, do programa Agora, da Rede Meio Norte, para falar sobre o fim do financiamento privado das campanhas públicas.

Image title

Evento da OAB em Teresina

“Nós transferimos a sede da OAB nacional para Teresina, nos dias de hoje e amanhã, onde já se encontram todas as secionais da ordem, portanto, 27 secionais. Iremos discutir temas relacionados à advocacia e discutir o Brasil. Estamos convidando todos os advogados para participar desse evento. Logo mais a partir das 19 inauguraremos o Centro Cultural e departamento de apoio ao jovem advogado. É mais um instrumento e prestação de serviço a sociedade”, afirmou.

Voto contra financiamento privado das campanhas públicas.

“O ministro que votou ontem foi Gilmar Mendes. Já o Joaquim Barbosa votou a favor da OAB, mesmo antes de se aposentar. O ministro está ao lado da OAB nesta campanha. A cada eleição, a contribuição empresarial para cada partido ou candidato acaba levando para a administração indevida, seja legal ou ilegal. A própria operação Lava Jato, por exemplo, mostra que, campanhas que muitas vezes dizem ter recebido financiamento legal, na verdade, receberam financiamento ilegal. O que a OAB fez há cinco anos atrás, não é constitucional essa doação, pois a pessoa física pode doar, mas a empresa não. Empresa não é povo. Hoje, a maioria do Supremo Federal, concluiu que é inconstitucional. O que move a OAB é fazer com que a sociedade perceba”, afirmou.

CPMF e impostos

“Estamos agora contra o aumento de imposto, contra a CPMF. Não achamos correto que o governo jogue para a população brasileira o ônus de tampar o buraco nos cofres públicos. A dona de casa, por exemplo, quando tem mais despesa que receita, faz cortes. Então, que o governo também corte esses mais de 39 ministérios”, disse.

Fim do finaciamento milionário em campanhas políticas

“Eu tento levar a voz do Piauí para o Senado Federal. Essa decisão por si só não vai resolver a corrupção administrativa, caixa dois no Brasil. Com a introdução do fim do financiamento empresarial a candidatos e partidos, nós iremos inverter a curva que hoje está crescendo. A cada campanha ouvimos falar: foram gastos 5 milhões, 10 milhões, 20 milhões. Vamos inverter essa curva. Uma campanha que a OAB irá fazer nas eleições do próximo ano será: Não vote em candiato com campanha milionária. Hoje, com a acesso internet, a informação está disponível para todos. Então, vamos fazer uma colaboração com eleitores. Nós temos que defender a democracia brasileira. Que os candidatos venham participar. Queremos acabar com o termo “estrutura de campanha” que é um nome utilizado para designar corrupção na política”, destacou.

Cortes do governo

“Nós temos que diminuir esses ministérios pela metade e ter uma política de cortes. Estamos vivendo uma crise política e econômica que também é ocasionada por uma crise de ética no país. As conquistas sociais ficam ameaçadas. Queremos que o Brasil volte a ter potencial econômico”, disse.

Image title

Image title



Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar