Por Victor Melo

Durante a visita às obras da nova maternidade de Teresina, localizada na avenida Presidente Kennedy, zona leste da capital, o governador Wellington Dias (PT) criticou a postura do governo federal para justificar o aumento dos preços dos combustíveis. Segundo o líder estadual, os governadores não aceitam ser enganados. 

Como saída para a crise na alta de preços, o Fórum Nacional dos Governadores confirmou para amanhã (21), uma reunião com o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (Democratas), por videoconferência. O grupo de líderes estaduais, coordenado por Dias, defenderá a equalização de um fundo de capitalização, que possibilitaria, inclusive, que o valor da gasolina caísse para até R$ 4,50. 

“É uma enganação. Lá atrás enganaram os caminhoneiros e agora estão querendo enganar o povo brasileiro e ainda querem colocar culpa nos governadores. Nós governadores, não vamos aceitar enganação. Nós vamos seguir, defendendo o fundo de equalização, como forma emergencial de resolver o problema do preço dos combustíveis e, ao mesmo tempo, a reforma tributária”, pontuou. 

A proposta chegou a ser pautada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, tendo em vista que o fundo foi capitalizado até o início da gestão Michel Temer. 

“Ela passa pelo ministro da Economia, que tem a opção de capitalizar ou não; tem sensibilidade de capitalização. Se a gente tiver a implantação do sistema que funcionou até 2016, a capitalização do fundo de equalização de combustíveis, que também vale para energia, nós teríamos o preço da gasolina no dia seguinte, cai para R$ 4,50, que seria o preço normal. A vontade do povo é que haja uma redução de preços e que não volte a subir. Se a gente tivesse aprovado essa medida a 15 dias atrás, aquele aumento de 7% que a Petrobrás deu, mais o aumento de 3,5% deu, já tinha engolido esse ganho” finaliza.