Mobilidade entre Teresina e Timon é discutido em Mesa Redonda na Alepi

A iniciativa do debate foi do deputado federal Silas Freire.

Nesta segunda-feira (23/11) acontece uma mesa redonda no Plenarinho da Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi) para discutir a construção de uma nova ponte sobre o Rio Parnaíba, ligando Teresina (PI) a Timon (MA), e a duplicação das rodovias BR-316 e 343 que dão acesso à capital.


Image title

A iniciativa do debate foi do deputado federal Silas Freire (PR-PI), que alerta para o grande número de mortes registradas nessas rodovias, principalmente por serem vias de pistas simples, sem duplicação, ao contrário da maioria das BRs que dão acesso às capitais brasileiras.

Silas Freire lembra que a grande parte dos acidentes com vítimas fatais acontecem na entradas da capital, nas duas BRs citadas, em colisões frontais. A duplicação dessas duas rodovias reduziria o número de acidentes e, consequentemente, e de vítimas nesses dois trechos.

Além das instituições ligadas ao tema, foram convidados os integrantes das bancadas federal do Piauí no Congresso, autoridades do governo dos dois estados, entidades de  classe e representantes da sociedade.

Números

Em 2014, foram registrados 168,5 mil acidentes em rodovias federais, que deixaram 100,3 mil feridos e 8,2 mil mortos. Os dados foram divulgados no começo de fevereiro deste ano pela Polícia Rodoviária Federal. Segundo a corporação, o índice de ocorrências caiu na comparação com 2013: foram 15,3% menos acidentes. A taxa de feridos baixou 9,2% e a de mortalidade reduziu 8,4% em relação ao ano anterior. A PRF analisa os resultados associados à frota de veículos do país, que, no ano passado, atingiu a marca de 86,7 milhões de veículos, com alta de 6,2% na comparação com 2013.  Conforme o levantamento, a maioria dos acidentes é ligada ao comportamento humano. Falta de atenção, velocidade incompatível e ultrapassagens indevidas lideram as causas de acidentes fatais. Esses fatores corresponderam, respectivamente, a 32%, 20% e 12% dos casos.

As colisões frontais representem 4% do total das ocorrências, elas lideram os casos em que há vítimas fatais, respondendo por 35% dos óbitos nas rodovias. Além disso, o balanço da PRF aponta que 73% das colisões e das mortes ocorreram em retas.

A maioria das rodovias federais é de pista simples, o que agrava o risco. “Mais de 95% das nossas rodovias federais são de pista simples. O DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) e a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) têm trabalhado para, nesses trechos mais críticos, duplicar rodovias ou, pelo menos, criar a terceira faixa. E, desse modo, minimizar as mortes.



Image title

Image title