Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Acesse a versão para celular

PMs se juntam e doam ar-condicionado para pai de criança com deficiência

O caso aconteceu em Alcântara, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio

PMs se juntam e doam ar-condicionado para pai de criança com deficiência
|
Compartilhe
Google Whatsapp

A relação entre polícia militar e moradores do Rio de Janeiro não é boa. A história dos PMs que doaram um aparelho de ar-condicionado para o pai de um menino com paralisia pode inspirar dias melhores.

O caso aconteceu em Alcântara, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio. Os habitantes sofrem com temperaturas que passam facilmente dos 40 graus neste verão e muita gente não tem condições de comprar ventiladores ou aparelhos de ar-condicionado.

O Sargento França Junior, de 47 anos, fazia patrulhamento de rotina quando entrou na loja de bijuterias onde Marcos Viana trabalha. Ele queria saber se as coisas tinham melhorado com a intensificação das rondas policiais.

Aí veio a surpresa. O comerciante perguntou como os policiais estavam lidando com o calor desértico, tendo em vista a grossura da farda. Marcos reclamou bastante e disse odiar o verão. França estranhou, afinal a loja estava fresquinha.

“Foi então que ele me contou que tinha um filho especial e que, nesta época do ano, ele não consegue dormir e fica se debatendo por conta da alta temperatura que faz, mesmo de noite”, declarou o Sargento ao jornal Extra.  

O policial militar ficou sensibilizado e determinado em dar um ar-condicionado para o filho do comerciante. França e o colega, o Cabo W. Coutinho, refletiram sobre o aumento considerável da conta de luz provocado pelo produto. No entanto, o comerciante disse que conseguiria dar conta.

“Sei que uma pessoa que ganha pouco não tem condições para pagar o valor que vem a (conta de) luz quando se usa este aparelho. Mas fui para casa com isso na cabeça aquele dia. Depois, conversei com meu parceiro de guarnição, o Cabo W. Coutinho, e ele topou dividirmos um ar para o rapaz. Mas antes, deveríamos perguntar se ele conseguiria manter o presente”.

Com o sinal verde, eles compraram o ar-condicionado e foi só alegria. Marcos conseguiu dar mais qualidade para a rotina do filho de 12 anos.

“Ficamos muito felizes e, na hora, fomos comprar o ar-condicionado para ele! Ele nos contou que o menino, quando soube, abriu um sorrisão! A mãe e a avó do menino choraram e queriam nos conhecer – disse o policial – Só de saber que iremos amenizar o problema de um garoto com paralisia, que nem sequer sabe falar. A gente se esforça para isto. Eu conversei antes com a minha esposa. Nós temos nossos problemas, nossas dificuldades do dia-a-dia, mas, na hora de ajudar, não pensamos duas vezes”.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp
Carregar os comentários (0)

comentários

fechar comentários
Nenhum comentário feito até o momento

veja também

Recomendamos

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto