Acervo cinematográfico da Vera Cruz é disponibilizado

Num primeiro momento, o internauta tem acesso a 13 longas de ficção e 5 documentários produzidos pela histórica Companhia de São Bernardo.

Os longas ?Sai da Frente?, ?Nadando em Dinheiro?, ?Sinhá Moça?, ?Candinho?, ?A Família Lero Lero?, ?O Sobrado?, ?O Gato de Madame?, ?Osso, Amor e Papagaio?, ?Paixão de Gaúcho?, ?Noite Vazia?, ?Grande Sertão: Veredas?, ?O Corpo Ardente? e ?As Amorosas?, que fazem parte do importante acervo histórico da Companhia Cinematográfica Vera Cruz, estão disponíveis na internet, com custo zero para os usuários, com qualidade de som e imagem.

?A disponibilização de um acervo desta qualidade, gratuitamente para os internautas, presta um serviço fundamental não apenas ao cinéfilo, como também a todos que se interessam pela história e pela cultura do Brasil. A internet preenche assim uma lacuna enorme que nem o cinema nem o DVD conseguem suprir. Queremos ajudar a acabar com a ideia de que o Brasil é um país sem memória?, afirma Sabrina Nudeliman, sócia e co-fundadora da Elo Company, empresa pioneira em mídias digitais e distribuição de conteúdo audiovisual.

Num primeiro momento, o internauta tem acesso a 13 longas de ficção e 5 documentários produzidos pela histórica Companhia de São Bernardo. No site www.elocinema.com ainda é possível assistir aos documentários produzidos pela Vera Cruz, como ?Marcelo Grassman - 25 anos de Gravura?, de Silvio de Campos Silva; ?São Paulo em Festa?, de Luciano Salce, sobre celebração dos 400 anos de aniversário da cidade de São Paulo; ?Obras Novas - A Evolução de uma Indústria?, de Lima Barreto, sobre o processo de construção dos estúdios Vera Cruz; ?Painel?, também de Lima Barreto, registrando a execução do painel Tiradentes de Candido Portinari; e ?Santuário?, do mesmo diretor, enfocando as esculturas dos 12 profetas, feitas por Aleijadinho, em Congonhas do Campo, Minas Gerais.

Fundada em 1949 pelo industrial Francisco Matarazzo e pelo produtor italiano Franco Zampari, a Companhia Cinematográfica Vera Cruz foi um dos mais importantes estúdios cinematográficos da história do cinema brasileiro. Em pouco tempo produziu e co-produziu mais de 40 longas e documentários, marcando época na produção brasileira. Com o lema: "Produção Brasileira de Padrão Internacional", é considerado o primeiro estúdio em moldes profissionais do país. Seu acervo de filmes somente está disponível graças aos esforços da família Khouri e da Cinemateca Brasileira que tem trabalhado a preservação das obras desde os anos 80.

Longas disponibilizados

Sai da Frente (1952), de Abílio Pereira de Almeida.

Estreia de Mazzaropi no cinema, mostrando as divertidas aventuras de um motorista de carreto pela cidade de São Paulo.

Nadando em Dinheiro (1952), de Abílio Pereira de Almeida.

Comédia onde Mazzaropi interpreta um motorista de caminhão que herda uma grande fortuna mas, depois de ridicularizado pela elite e abandonado pela família, acorda feliz com sua condição humilde de suburbano.

Sinhá Moça (1953), de Tom Payne.

Estrelado por Eliane Lage e Anselmo Duarte, o filme fala da bela Sinhá Moça, filha de um fazendeiro dono de vários escravos, que se rebela contra seu pai na luta a favor dos escravos.

Candinho (1953), de Abílio Pereira de Almeida.

A comédia mostra a história de Candinho (Mazzaropi), caipira que deixa o campo e viaja até São Paulo, tentar achar sua mãe.

Família Lero Lero (1953), de Alberto Pieralisi.

Com Walter D"Avila e Marina Freire, narra as confusões de um servidor público atormentado pelos infinitos desejos de sua família, onde ninguém trabalha.

O Sobrado (1956), de Walter George Durst.

Baseado em ?O Tempo e o Vento?, de Érico Veríssimo, o filme mostra dois caudilhos, cercados em um sobrado, sem água e sem munições, que precisam resistir às provocações com decisão e coragem.

O Gato de Madame (1956), de Agostinho Martins Pereira.

Arlindo (Mazzaropi) ajuda sua esposa na entrega de roupas limpas para mulheres ricas. E acaba se envolvendo com a alta sociedade paulista, numa comédia hilariante.

Osso, Amor e Papagaio (1956), de Carlos Alberto de Souza Barros.

Os habitantes de Acanguera possuem o hábito de empinar pipa toda tarde. O chefe de polícia, um homem gordo e baixo, que é casado com uma bela mulher também faz isso. Toda tarde, no mesmo horário, ele vai ao campo, onde adultos e crianças estão empinando pipas. Esta é a hora que o único soldado de Acanguera, "visita" a esposa do chefe de polícia.

Paixão de Gaúcho (1957), de Walter G. Durst.

Na guerra entre Legalistas e Farroupilhas, o bravo gaúcho Chileno precisa provar a sua coragem para poder se casar com sua amada Catita.

Noite Vazia (1964), de Walther Hugo Khouri.

Com Norma Benguell e Odete Lara, o drama mostra dois amigos que contratam duas prostitutas. Mas o que era para ser uma noite de prazer acaba se transformando num conflito de angústias e ressentimentos.

Grande Sertão: Veredas (1965), de Geraldo e Renato dos Santos Pereira.

Estrelado por Tony Ramos, Bruna Lombardi e Tarcísio Meira, o filme é a adaptação cinematográfica do clássico de Guimarães Rosa.

O Corpo Ardente (1966), de Walther Hugo Khouri

Com Bárbara Lage e Mário Benvenutti. Drama sobre uma mulher em luta contra os seus sentimentos mais profundos.

As Amorosas (1967), de Walther Hugo Khouri.

Com Paulo José e Stênio Garcia, o filme conta a história de um jovem cercado por amigos e por mulheres, mas que não consegue evitar sua auto-destruição.

Fonte: Assessoria