Desvendados cinco mitos sobre sexo

Veja as dicas mais picantes

Nostalgia do pênis

Sabe quando você compara o membro do ex (que sabia exatamente como fazer você gozar) com o de todos os novos caras com quem sai? É, você está viciada em um pênis do passado. Situação bizarra, mas real!

Sim, sexo pode afetar nosso cérebro e viciar como uma droga. O pesquisador James Pfaus, da Universidade Concórdia, no Canadá, diz que um orgasmo incrível produz quantidades de dopamina (o neurotransmissor do prazer) similares à cocaína! Alguém aí se lembrou do ex porcaria com quem você insiste em fazer as pazes só por uma "despedida decente"? Quebrar o ciclo é difícil, mas necessário. Se entregue de verdade ao novo corpinho que ocupa a sua cama. Tente uma posição que nunca experimentou antes ou realizar uma fantasia guardada há anos no fundo da mente. Criar novas "memórias sexuais" ajuda a diminuir o espaço no cérebro para a nostalgia.

      

Vergonha da zona V

Nada te deixa mais excitada que uma boa sessão de sexo oral. Mas, ao mesmo tempo, a depilação não está em dia e - ainda pior - você acha a sua vagina estranha e (ai!) meio feia...

É normal vulvas terem cores e tamanhos distintos - entre si e de uma mulher para outra. Mas, diferentemente dos homens, nós não temos aquela comparação explícita de formatos, o que faz com que muitas achem que só a delas é imperfeita. Depois de notar isso, o artista plástico inglês Jamie McCartney criou o projeto The Great Wall of Vagina, que é uma série de dez murais com réplicas de vaginas reais, de mulheres entre 18 e 76 anos. Vale a pena procurar o trabalho do cara e ver como toda e qualquer forma é "normal".

 

Vício no vibrador

Você não leva três minutos para ter um orgasmo com seu querido vibrador. Já quando vai transar com um gato real, demora o que parece uma eternidade para gozar. Ele pode tentar todas as posições e movimentos, mas nada chega perto da potência 7 do seu brinquedinho. É verdade, o pênis do cara nunca se transformará em um motor turbinado (afinal, faz parte de um ser humano). O problema só fica grande quando você passa a achar que nenhum homem ou estímulo não movido a pilha são capazes de dar conta do trabalho.

 

Lembre-se de que sua varinha mágica não pode arrancar sua lingerie e virá-la de quatro como um cara dedicado e cheio de tesão. Para começar o desapego, descubra com as suas mãos e os seus dedos que movimentos são mais excitantes. Depois, peça ajuda ao gato. "Nada de se limitar a uma única sensação em um único lugar. Sexo é uma troca de experiências (e carícias, beijos, lambidas...) que sempre podem levar a uma novidade", diz a especialista em sexualidade americana Helen Fisher, autora do livro Por Que Amamos? (Record). Um homem, dos que valem a pena, vai querer ver você gozar e adorar explorar o seu corpo também. Lembre-se de que sua varinha mágica não pode arrancar sua lingerie e virá-la de quatro como um cara dedicado e cheio de tesão. Para começar o desapego, descubra com as suas mãos e os seus dedos que movimentos são mais excitantes. Depois, peça ajuda ao gato. "Nada de se limitar a uma única sensação em um único lugar. Sexo é uma troca de experiências (e carícias, beijos, lambidas...) que sempre podem levar a uma novidade", diz a especialista em sexualidade americana Helen Fisher, autora do livro Por Que Amamos? (Record). Um homem, dos que valem a pena, vai querer ver você gozar e adorar explorar o seu corpo também.


                       
 

Cordas vocais congeladas

O gato pega nos seus seios como se apertasse uma buzina ou toca seu clitóris feito uma campainha? Acontece. Tem homem meio destreinado e sem noção. Nessa hora, nada como uma boa dica de quem conhece seu corpo como ninguém: você mesma. Só que, quando pensa em falar, a voz desaparece. Rola medo de quebrar o clima, de o gato ficar ofendido ou não entender o que você quer dizer.

 

Falar sobre sexo quando vocês não têm muita intimidade bota certa pressão mesmo - sobre os dois. "Qualquer assunto relacionado ao desempenho sexual dele é interpretado como algo negativo", diz Carolina. Por isso é mais fácil focar em elogios, não em críticas. Incentive o cara sempre que ele mandar bem - nem que seja com gemidos de prazer. Falar sobre sexo quando vocês não têm muita intimidade bota certa pressão mesmo - sobre os dois. "Qualquer assunto relacionado ao desempenho sexual dele é interpretado como algo negativo", diz Carolina. Por isso é mais fácil focar em elogios, não em críticas. Incentive o cara sempre que ele mandar bem - nem que seja com gemidos de prazer.

                      

                

Cara de atriz pornô

O gato manda muito bem na cama e depois de alguns minutos de (boa) pegação você já começa a sentir a explosão de prazer cada vez mais perto. Só que, de repente, em um momento de distração, seu cérebro viaja e começa a pensar demais. Será que estou fazendo caras muito estranhas? Tenho que demonstrar mais que estou curtindo? Será que estou exagerando e pareço fake? Pronto: aquele momento feliz e enlouquecedor prestes a acontecer diz tchau.

 

A preocupação com a expressão do seu rosto na hora H entra no pacote das encanações com o corpo ("Ai, será que ele vai notar meu pneuzinho?"). Todas descartáveis. "Se a sua expressão muda no sexo, a dele também. Além disso, se chegaram a esse estágio, é porque ele a enxerga como sexualmente atraente", diz a sexóloga Carolina Ambrogini, de São Paulo. Lembre-se: não existe forma certa ou errada de gozar. Pare de se preocupar com sua cara e fique feliz de estar gozando. A preocupação com a expressão do seu rosto na hora H entra no pacote das encanações com o corpo ("Ai, será que ele vai notar meu pneuzinho?"). Todas descartáveis. "Se a sua expressão muda no sexo, a dele também. Além disso, se chegaram a esse estágio, é porque ele a enxerga como sexualmente atraente", diz a sexóloga Carolina Ambrogini, de São Paulo. Lembre-se: não existe forma certa ou errada de gozar. Pare de se preocupar com sua cara e fique feliz de estar gozando.

 

 

 

 

Fonte: M de Mulher