Pimenta-de-java pode curar impotência e funciona como viagra natural

Pimenta-de-java pode curar impotência e funciona como viagra natural

Viagra natural: substância encontrada em pimenta-de-java pode curar impotência

Mesmo se você for um homem bem resolvido sexualmente, a possibilidade de falhar na hora H provavelmente já passou pela sua cabeça. E nem é piada. Tem muita gente que sofre constantemente com isso. A disfunção erétil é um problema de saúde sério.

Mas pesquisadores da Unifran (Universidade de Franca, no interior de São Paulo) têm uma boa notícia para quem passa ou teme passar por isso. E ela apareceu sem querer:

Em 2004, uma equipe da universidade fazia testes em ratos que tinham como objetivo evoluir no tratamento do mal de Chagas. A chave do tratamento era a cobeba, uma substância derivada da pimenta-de-java. Mas os cientistas perceberam que, em contato com a cobeba, os ratos ficavam… bem… com o pênis ereto. Como esse não era bem o objetivo da pesquisa, resolveram deixar esse detalhe para depois.

Aí o depois chegou. Em 2009, depois de novos testes, a equipe descobriu que a (-)-cubebina, um componente derivado da mesma pimenta (que vem da Índia), pode fazer com humanos a mesma coisa que fez com os ratinhos. As moléculas concentradas do componente produzem o mesmo efeito de medicações como Cialis e Viagra: elas inibem a ação da enzima fosforo-diesterase-5, que impede o pênis de ficar ereto em condições normais.

Só que o remédio natural é bem melhor. Ele não produz os efeitos colaterais inconvenientes das pílulas azuis da farmácia. A cafeína encontrada nelas resulta em taquicardia e sentimento de aceleração do organismo.

Além disso, no processo de enchimento de sangue do pênis, os derivados da cobeba se mostraram 50% mais eficazes. “Ainda estamos investigando o que tem nela que estimula a ereção. Tem duas coisas: o metileno dióxido e o lactol. Quando tiramos o lactol não dá efeito. O lactol é o componente que estamos desconfiando -e tendo quase certeza- que seja o principal influente”, diz Márcio Luís Andrade e Silva, farmacêutico coordenador do estudo.

Para ele, as chances de o novo remédio substituir os que já existem são bem grandes. “Não há contraindicações”, diz.

Importante: Poucos procuram ajuda médica quando isso ocorre. E se está acontecendo com você é melhor procurar um médico antes de usufruir de qualquer medicamento.

Clique e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Super Interessante