Advogado de Dado diz que vai entrar com liminar contra medida protetiva

No último domingo (27), Luana chamou a polícia ao perceber que Dado estava em um restaurante

O advogado Michel Assef Filho, que defende Dado Dolabella, afirmou na tarde desta quarta-feira (2) que pretende entrar com uma liminar contra a medida protetiva que obriga o ator a se manter 250 metros distante da atriz Luana Piovani.

No último domingo (27), Luana chamou a polícia ao perceber que Dado estava em um restaurante próximo ao que ela se encontrava com alguns amigos, no Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro.

?Essa medida não se justifica. Ainda mais agora que muito tempo já se passou. Essa medida não faz sentido. Eles vivem no mesmo bairro, a medida seria para proteger a suposta vitima e não há mais fundamento?, explica Assef.

Por ordem da justiça, além de Dado Dolabella não poder ficar a menos de 250 metros de distância de Luana, ele não pode falar com a ex através de nenhum meio. A ordem de restrição foi concedida por conta da agressão do ator à ex-namorada, no dia 22 de outubro de 2008, em uma boate na Gávea, na Zona Sul. O ator foi condenado a 2 anos e 9 meses de prisão em regime aberto pelo 1º Juizado de Violência Doméstica Familiar contra a Mulher do Rio, por lesão corporal. O caso foi enquadrado na Lei Maria da Penha.

Reincidente

Dado Dolabella já responde a outros processos em varas de proteção a mulher. Em novembro, o ator foi à 14ª DP (Leblon) prestar depoimento, depois que a ex-mulher Viviane Sarahyba o acusou de agressão. Ela prestou queixa afirmando que foi levar o filho do casal, João Valentim, para ver o pai, e foi agredida pelo ex-marido.

Em agosto, após denúncia de agressão, a Justiça determinou que Dado deixasse a casa em que vivia com a publicitária.

Indiciado por uso de entorpecentes

No início de outubro, o ator foi autuado e indiciado por uso de substância entorpecente, após admitir à polícia que a maconha encontrada em seu carro durante uma blitz na Zona Sul do Rio, era para seu próprio consumo.

Na ocasião, o delegado responsável pelo caso, Alessandro Thiers, da 14ª DP, explicou que Dado iria responder em liberdade e deveria ser punido com penas alternativas, como prestação de serviços comunitários, cursos educativos sobre drogas, além de ser advertido pelo juiz.

Multas em Operação da Lei Seca

No mês anterior, Dado recebeu duas multas ao ser parado em uma blitz da Operação Lei Seca, na Rua Ministro Raul Machado, na Gávea, na Zona Sul. Somadas, as multas passam de R$ 1 mil. De acordo com o major da PM Marco Andrade, o ator recusou-se a fazer o exame do bafômetro. Por conta disso, ele foi multado em R$ 957,70 e pode ter o direito de dirigir suspenso por um ano, caso seja condenado em julgamento do Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro (Detran-RJ).

Além da multa pela recusa em fazer o teste, ele também estava sem o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV), uma picape importada. Essa infração rendeu ao ator mais uma multa de R$ 53,20, além de levá-lo a acumular 3 pontos na carteira de habilitação.

Fonte: g1, www.g1.com.br