Avião da Air France caiu inteiro no oceano Atlântico

Air France ressaltou a importância do relatório do BEA tanto para a empresa quanto para as famílias

O avião da Air France que fazia o voo 447 e caiu no oceano Atlântico no dia 31 de maio não se partiu em voo, e sim caiu de forma vertical na água, segundo relatório preliminar do BEA (Escritório francês de Investigação e Análise) divulgado nesta quinta-feira, em Paris, na França. A aeronave fazia a rota Rio-Paris e transportava 228 pessoas de 32 nacionalidades. O avião caiu no oceano Atlântico, a cerca de 1.500 km de Recife (PE), no dia 31 de maio último.

Em nota, a Air France ressaltou a importância do relatório do BEA tanto para a empresa quanto para as famílias. Entretanto, afirmou ser primordial o encontro das caixas-pretas para determinar as causas do acidente.

O relatório menciona que os pilotos do Airbus tentaram, por três vezes, fazer contato com um sistema de dados do controle de tráfego aéreo de Dakar, no Senegal.

Alain Bouillard, do BEA, afirmou que Dakar não chegou a receber oficialmente dos controladores de tráfego aéreo do Brasil o plano de voo do Airbus. "Isso não é normal", afirmou.

Ele também afirmou que será investigado o motivo pelo qual se passaram seis horas do desaparecimento da aeronave até que fosse emitido um sinal de emergência.

Queda

Bouillard disse que "a deformação no assoalho do avião mostra que a aeronave tocou na água ainda inteiro e com muita velocidade. Além disso, todas as prateleiras e suportes também foram empurrados para o fundo", afirmou Bouillard.

Ele ainda afirmou que coletes salva-vidas encontrados entre os destroços do avião não estavam acionados. Desde 6 de junho, foram encontrados 640 elementos do avião. "Os elementos identificados proveem de várias partes do avião", afirma o órgão.

Os investigadores também relataram que os sensores de velocidade foram um fator, mas não a causa primordial para a queda do avião da Air France.

Bouillard, do BEA, disse também que o avião estava impossibilitado de voar por meio do sistema de piloto automático no momento da queda. Ele afirmou que isso ocorreu em razão de o sistema de piloto automático não estar recebendo informações sobre velocidade, vento ou direção.

Ansiedade

Em nota divulgada após o relatório preliminar do BEA, a Air France informou que assim como as famílias está ansiosa para entender melhor as circunstâncias desta tragédia.

A empresa agradece em nota as autoridades francesas que continuam nas buscas e as equipes brasileiras.

Todos os pontos levantados pelo BEA serão levados em consideração pela Air France, segundo a nota, e a empresa ressaltou que a segurança em voo é sua preocupação primordial.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br