Brasileiro busca há nove anos filho que ficou no Japão

Nove anos sem ver o filho – este é o drama que um pai de Sergipe está vivendo. O filho dele está do outro lado do mundo.

José Gomes dos Santos mora em Nossa Senhora do Socorro, Região Metropolitana de Aracaju. Quem vê este homem simples nem imagina que a dor que carrega vem de bem longe. Essa história começa em 2001 na cidade de Salvador. Lá, José se apaixonou por uma turista japonesa. Naoko parecia ser a mulher dos sonhos.

?Nós viemos para Sergipe, casamos e ficamos três meses. Fomos para São Paulo, ficamos três meses e de lá fomos embora para o Japão?, conta o aposentado José Gomes dos Santos.

No outro lado do mundo, a primeira dificuldade foi a língua do país. A vida no Japão se complicou ainda mais pela falta de apoio da família da esposa. ?Eu fiquei muito angustiado. Chegou o momento de querer pegar o avião para vir embora, mas não tinha condições?, disse o aposentado.

Nem mesmo a chegada de um filho aliviou a tensão. Até que um ano depois, com incentivo da mulher, ele voltou para o Brasil em busca de formação profissional. Nem imaginava que esse retorno seria o fim do casamento.

O tempo em que viveu no Japão José quer apagar da memória, mas as lembranças ainda são muito fortes, porque lá está o único o filho dele, que mora com a ex-mulher. Desde que voltou para o Brasil, ele não tem notícias do menino.

Do filho, hoje com 9 anos, José tem apenas fotos e doces lembranças. ?Quando saí do Japão eu o deixei com seis meses de nascido. A partir desses 6 meses até hoje, com 9 anos, aqui no Brasil não sei se está vivo ou morto?, comentou.

José Gomes conta que consultou um advogado, mas sem dinheiro o processo não foi adiante. Desde então, ele se agarra a uma esperança que não diminui com os anos de angústia. ?A saudade é grande e constante. É muita saudade. Enquanto eu não ver meu filho, eu não sossego?, afirma o aposentado.

"Nos deixem em paz", disse família no Japão

No Japão, o correspondente Roberto Kovalick tentou fazer contato com a ex-mulher de José. As esperanças são poucas para o brasileiro de rever o filho. A equipe de reportagem tentou falar com a ex-mulher de José, mas a família dela não quis conversa.

A família mora na cidade Toyama, no oeste do Japão, uma região onde vivem muitos brasileiros. A repórter Sílvia Kikuchi, da IPC-TV, afiliada da TV Globo no Japão, conversou por telefone com a avó do menino. Ela informou que a filha e o neto se mudaram para a mesma província, mas não quis dar o novo endereço. Sílvia insistiu dizendo que o pai queria rever o filho. Pediu ao menos uma foto, mas a avó foi inflexível. Encerrou a conversa dizendo: ?Nos deixem em paz?, e desligou o telefone.

A esperança para José é que ele não está sozinho. Há dezenas de estrangeiros na mesma situação, entre eles 136 americanos que eram casados com japonesas. O Japão não é signatário da Convenção de Haia, de 1980, que impede que os filhos sejam levados ou mantidos à força no país de origem de um dos pais. E os tribunais japoneses quase sempre dão a custódia à mãe, raramente ao pai, ainda mais se for estrangeiro.

A pressão dos Estados Unidos e de outros países fez o governo japonês dizer no ano passado que pretende assinar a Convenção de Haia, mas não informou quando. Resta esperar que essa mobilização internacional dê resultado rápido.

Fonte: g1, www.g1.com.br