Caminho das Índias aposta na Web

No YouTube, os vídeos em que Márcio Garcia e Juliana Paes aparecem em uma montagem fazendo ioga foram postados pela própria emissora

Antes mesmo de estrear e virar assunto entre noveleiros, "Caminho das Índias" movimentou a turma dos internautas. Em vídeos, entrevistas e fotografias --parte de uma campanha da emissora--, o folhetim se espalhou pela internet, nos sites YouTube, Twitter e Flickr. Em alguns, já virou sucesso. No Orkut, onde não houve divulgação por parte da Globo, já há mais de 400 comunidades.

No YouTube, os vídeos em que Márcio Garcia e Juliana Paes aparecem em uma montagem fazendo ioga foram postados pela própria emissora e já acumulam quase 40 mil acessos cada um.

Durante a festa de lançamento da trama, no último dia 10, nas páginas oficiais da novela no Twitter e no Flickr, era possível saber em tempo real o que estava acontecendo no evento.

As informações foram postadas por blogueiros convidados pela autora da trama, Gloria Perez. Ela, instigada pela proximidade entre o mundo real e o virtual, reuniu-se com eles em dezembro passado.

"Postamos comentários e fotos do evento, o que gerou uma intensa repercussão. No primeiro encontro com a autora, conversamos sobre o que faz um blogueiro e o que ele pensa, e a Gloria se interessou porque a interatividade é uma coisa nova na TV", diz Caio Novaes, dono de um site que hospeda blogs.

Além de servir de canal para bombar a história, a interatividade de "Caminho das Índias" estará presente no decorrer da trama por meio de Indra, personagem que terá um blog na trama e na vida real, e dos dois diários virtuais mantidos pela autora.

"A princípio, esse tema seria algo secundário na trama, mas ela percebeu que, no Brasil, o universo virtual ainda é um meio restrito e fechado. Com a discussão desse tema na TV, a tendência é que cresça a visibilidade dos blogs em nosso país", diz o empresário Wagner Fontoura, outro autor de blog consultado por Gloria.

Para Bruno Rodrigues, especialista em mídia digital, o fato de "Caminho das Índias" estar presente na internet pode ajudar a atrair o público que abandonou a TV nos últimos tempos. "Pela primeira vez, há a possibilidade de o receptor ser ouvido. Isso é inédito e transformador", avalia Rodrigues.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br