Chega a 22 total de mortes por deslizamentos em Angra-RJ

Chega a 22 total de mortes por deslizamentos em Angra-RJ

Na Praia do Bananal, em Ilha Grande, 11 corpos foram retirados dos escombros da Pousada Sankay

Chega a 22 o número de corpos encontrados nos deslizamentos de terra em Angra dos Reis, no litoral sul do Estado do Rio de Janeiro, segundo informou esta tarde o governo estadual.

Os corpos foram retirados dos escombros da Pousada Sankay e de casas de veraneio vizinhas, atingidas pelo deslizamento de uma grande encosta. Outros três cadáveres foram localizados no mar, nas imediações da pousada.



"Como as casas e a pousada estão debaixo de toneladas de lama, o resgate é mais difícil, porque não é possível utilizar equipamentos pesados para não correr o risco de o terreno ceder. Por isso, os bombeiros fazem um trabalho manual com pás e picaretas. Eles ainda tentam encontrar as vítimas da pousada", diz nota divulgada pelo governo do Estado.

Os corpos estão sendo levados para o Instituto Médico-Legal (IML) de Angra dos Reis. Durante a madrugada, cinco feridos foram retirados do local que ficou soterrado e levados para o Hospital da Vila do Abraão, também em Ilha Grande.

No continente, pelo menos cinco pessoas morreram no desmoronamento de uma barreira no Morro do Carioca, no centro de Angra (foto). Neste local, o número de vítimas pode chegar a 11.

Movimentação política

Angra teve várias regiões castigadas pela chuva dos últimos dois dias, e o prefeito da cidade, Tuca Jordão, estuda decretar estado de calamidade pública. O vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, está na cidade e afirmou que vai pedir ajuda ao governo federal para a reconstrução de vias e contenção de encostas. Ele falou por telefone com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que prometeu ajuda federal e colocou a Marinha à disposição dos trabalhos na região.

O ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, informou Pezão de que o Estado poderá receber recursos do crédito suplementar criado pelo governo por medida provisória no último dia de 2009.

Mais de 80 bombeiros trabalham no resgate na Praia do Bananal, com o apoio de 20 homens das polícias Militar e Civil, além da Marinha. Segundo o superintendente de Defesa Civil do Rio, Luiz Santos, bombeiros foram enviados de barco e de helicóptero para ajudar as equipes no local.

Ainda não há informação precisa sobre quantas pessoas continuam soterradas. O prefeito afirmou que só fará uma nova estimativa com informações mais concretas. No Morro do Carioca, 40 bombeiros trabalham no resgate a possíveis vítimas.

Uma queda de barreira interditou os dois sentidos da BR-101 (Rio-Santos) próximo a Paraty. Também houve deslizamentos em pelo menos outros quatro pontos da rodovia, um deles bem próximo à entrada de Angra. A Polícia Rodoviária Federal recomenda que os motoristas evitem a rodovia.

Fonte: AE