"Detesto grande parte da espécie humana", declara Brigitte Bardot

Perguntada sobre as lembranças de suas histórias de amor passadas, a atriz respondeu que "tem belas imagens e belas lembranças"

A atriz francesa Brigitte Bardot disse que detesta "uma grande parte da espécie humana" e que se sente "muito mais próxima à natureza e aos animais que ao homem". Em entrevista publicada neste sábado (26) pelo jornal italiano "La Repubblica" --na qual a musa do cinema francês e conhecida ativista para a proteção dos animais rememora seus 75 anos--, Bardot acrescentou que abraçou o ativismo "para dar um sentido" à sua existência.

 Brigitte Bardot, militante pelos direitos dos animais, escreveu a Obama pelas baleias Brigitte Bardot afirmou a jornal italiano que detesta "grande parte da espécie humana" Além disso, afirmou que escolheu a solidão para defender-se e manifestou: "Me preservo da humanidade que me envolve. Uma humanidade ruidosa e intrometida. Vivo rodeada de animais, árvores, flores. Tenho cavalos, burros, cabras, porcos, galinhas e, obviamente, cachorros e gatos. Nem sequer sei quantos tenho".

Perguntada sobre as lembranças de suas histórias de amor passadas, a atriz respondeu que "tem belas imagens e belas lembranças" e assinalou que a pessoa que mais amou em sua vida foi a seu avô. Sobre sua decisão de abandonar a cena cinematográfica, Bardot afirmou que em 1973, aos 38 anos, não foi o cinema que "provocou uma chaga profunda" em seu coração mas a vida, e que desde então optou por dedicar-se "exclusivamente à proteção dos animais".

A ex-atriz observou que a última vez que entrou em um cinema foi há cerca de trinta anos, e declarou que estima aos diretores com talento, embora veja "poucos" na cena atual. Bardot afirmou, também, que a política é um tema que lhe "causa profundo desgosto" e apontou que após sua morte quereria ser recordada por sua "batalha pelos direitos dos animais".

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br