Dieckmann minimiza fotos nua: ‘Todo mundo me viu pelada"

Dieckmann minimiza fotos nua: ‘Todo mundo me viu pelada"

la diz viver seu personagem mais difícil até agora

Carolina Dieckmann ficou muda diante da TV ao ver sua estreia em ?Salve Jorge?. Ao ser apresentada na trama, Jéssica, sua personagem, descobre que não está em Madri para trabalhar como balconista de uma pizzaria. Depois de perceber que foi traficada para ser prostituta no exterior, a jovem protagoniza uma cena violentíssima: é estapeada, tem a blusa rasgada e fica com os seios à mostra. Um dos maiores destaques deste primeiro mês da trama escrita por Gloria Perez para o horário nobre da Globo, Carolina se surpreendeu com a crueza da sequência.

? Gravei a cena exatamente como foi escrita. Mas faço isso há anos, e sei que mulher com o peito de fora em novela das oito não vai ao ar. Ao assistir, fiquei muito assustada, perdi a ação. Pensei: ?Como isso passou??. Foi muito explícito. O peito de fora, o tapa, a roupa rasgada... Aquilo redimensionou a minha expectativa ? admite Carolina.

Dali em diante, a atriz se preparou para encarar o realismo das próximas cenas. É através de Jéssica que a campanha social da novela, o alerta sobre o tráfico de seres humanos, está sendo apresentada ao telespectador. Esse será o grande drama de Morena (Nanda Costa), que, assim como Jéssica, irá para o exterior iludida pela chance de ganhar dinheiro rápido. As duas personagens se encontrarão na Turquia. Mas o destino da jovem feita por Carolina deverá ser a morte:

? Até onde eu sei, estou ali para uma participação. A duração vai depender da necessidade da autora. A minha função é introduzir esse assunto de maneira lenta e consistente. Acho importante acontecer algo dramático com a Jéssica. A protagonista da Gloria vai ser traficada, e isso dará o tom do que ainda vai se passar na novela.

Vinda de um papel recente ? a periguete Teodora, de ?Fina estampa? (2011/2012) ?, Carolina se jogou com tudo no atual trabalho.

? Eu não economizo nada. Se tem que tirar a roupa não fico discutindo. Na sequência do estupro eu não fui perguntar: ?Precisa disso??. Li e achei forte demais, mas fiz ? assume, durante entrevista à Revista da TV no playground do prédio onde mora, em São Conrado.

A impactante cena do abuso sexual sofrido por Jéssica foi gravada conforme mandava o roteiro. E sem dublê, segundo a atriz. No ar, pouco se viu. A ação foi mais sugerida do que mostrada. No Twitter, a autora da novela explicou que prevaleceu o bom senso. Carolina concorda com o corte:

? Eles viram a cena montada e avaliaram que não era necessário mostrar tudo como foi gravado. Ninguém teve dúvidas de que ela foi estuprada. O importante é contar a história.

Outro momento de forte impacto, o espancamento de Jéssica, também não foi exibido na íntegra:

? A cena original era uma loucura. Demorava um minuto e meio, o que é uma eternidade na TV. Ali, tive dublê.

Carolina não pretendia voltar tão cedo às novelas. Mas considerou Jéssica ?irrecusável?. O bom momento profissional serviu para encerrar um período conturbado. Há sete meses, ela estava envolvida com o filme ?Pele de cordeiro? quando soube do vazamento de suas fotos íntimas na web.

Na ocasião, a atriz não cedeu à chantagem de um hacker que pediu dinheiro para não divulgar as tais imagens. E o crime virou assunto nacional.

? Passei uma semana bem paranoica, pensando: ?Será que joguei um chip no lixo e meu porteiro achou? Quem fez isso??. Eu não preenchi nenhum formulário online e nem dei mole algum. O hacker entrou no meu e-mail e achou as fotos que eu tinha mandado para o meu marido (Tiago Worcman, gerente de programação do GNT) nos enviados ? detalha.

Para ela, o crime do qual foi vítima foi mais grave do que toda a sua exposição:

? Não houve espaço para eu me preocupar com as fotos. Tudo era mais complexo. Uma pessoa que eu não conhecia teve acesso a todos os meus dados. Sabia os meus endereços e senhas de banco. Isso me assustou. Tá, tinha as fotos também. Todo mundo me viu pelada, dããããã, e daí?

A atriz afirma que em nenhum momento se preocupou com a opinião de quem a julgou por ter feito as fotos. E que seu marido ?não ficou encanado? com este fato isolado.

? Não fiz nada de errado. Estava vivendo a minha vida. Desculpa, são fotos que eu olho e das quais não me envergonho. Você acha que eu iria mandar para o meu marido se estivesse baranga? Não era para todo mundo ver. As minhas amigas até brincam: ?Carol, você tá incrível?. Sim, eu tô ajeitada ? diz, dando sinais de que tudo já foi superado.

Este mês, o caso voltou a ser notícia quando a Lei Carolina Dieckmann, que prevê a punição para crimes virtuais, foi aprovada em Brasília pela Câmara. Agora irá à sanção presidencial.

? Tomara que eu não precise usar essa lei. O que aconteceu comigo serviu para alguma coisa. O caso me deixou tão exposta, mas não foi em vão ? diz.

A vida seguiu. E Carolina voltou a usar a internet normalmente, mesmo sem se sentir 100% segura ali:

? Não fiquei traumatizada. Se você tem um carro roubado, por exemplo, torce para não acontecer de novo. Mas não deixa de andar de carro. Já tive cartão clonado e a senha do Twitter hackeada. Pelo menos agora existe uma legislação, e os crimes não ficarão impunes.

Mãe de Davi, de 13 anos, do relacionamento com o ator Marcos Frota, e de José, de 5 anos, do atual casamento com Worcman, Carolina ficou horrorizada com o que poderia chegar até os seus filhos após o episódio das fotos vazadas:

? Davi não viu nada, e o José muito menos. Poderiam ter acontecido outras coisas, e essa história teria tido outro peso na minha vida. Mas o Davi mesmo fala: ?Ah, mamãe, isso é coisa que acontece na sua profissão, né??. Ele leu que a (atriz americana) Scarlett Johansson também teve fotos hackeadas. E fica achando que uma atriz é uma pessoa que desperta o interesse das pessoas. Para ele isso é chato, mas faz parte da vida de uma pessoa famosa. Então, dane-se o resto.

O fato de o crime não ter afetado seus filhos também tranquiliza Carolina. Atualmente, suas energias estão todas voltadas para o trabalho. Tanto que ela não pensa duas vezes ao classificar Jéssica como sua personagem mais difícil até aqui.

? A minha ambição hoje é ter personagens de conteúdo, que me possibilitem olhar para a minha carreira e tentar fazer diferente, melhor. Estou em outra cadência com a Jéssica. Fico numa outra esfera agora no trabalho. Há toda uma atmosfera naquele núcleo em que gravo. Todo o elenco de apoio é muito bom, e as meninas também ficam muito concentradas antes das cenas ? observa.

Aos 34 anos, Carolina é um rosto conhecido na TV desde a sua adolescência. Ela estreou no vídeo na minissérie ?Sex appeal?, de 1993. Com mais de 15 novelas na carreira, afirma só ter tido a certeza de que seguiria mesmo a profissão depois de interpretar Camila, a jovem que enfrentava uma leucemia em ?Laços de família? (2000).

? Eu comecei na televisão depois de passar num teste e fui meio numa onda. Mas poderia ter ido estudar Arquitetura ou Direito. ?Laços? foi o primeiro trabalho depois do nascimento do Davi. Ali eu pensei: ?Você veio nesta vida para ser atriz?. Descobri um bichinho que me come por dentro e isso é para sempre ? afirma.

A personagem escrita por Manoel Carlos está entre seus tipos preferidos. Nesta mesma galeria estão os dois papéis vividos em ?Senhora do destino? (2004), de Aguinaldo Silva: a fase jovem de Maria do Carmo e sua filha sequestrada, Isabel.

? Eu tinha um sotaque na primeira fase da novela e fui gravar as primeiras cenas numa cidadezinha no fim do mundo. Foi enriquecedor ? aponta a atriz.

Para o atual papel, ela contou com a ajuda da preparadora de elenco Camilla Amado. Trabalharam a forma de falar o texto e a respiração. E criaram para Jéssica uma voz menos aguda que a de Carolina.

? Senti a necessidade de buscar um trabalho técnico que nunca tinha feito. É muita responsabilidade, né? Tem uma campanha por trás disso, existe o drama da personagem e toda uma expectativa. Para mim, é desgastante ? assume.

Durona diante das câmeras ao viver a jovem inconformada com sua situação extrema, Carolina cai em prantos constantemente nos bastidores:

? Tive a preocupação de não ficar me vitimizando, nem com pena da personagem. Fiz todo um trabalho para isso. Mas depois de gravar eu desabo. Fico modificada. Eu nem sei como agiria nesta mesma situação. Ficaria muito mais desesperada do que a Jéssica. Eu choraria muito mais que ela. Ela é reativa, não cede nem mesmo depois de ser espancada, estuprada...

Com preferências por mocinhas e apenas uma vilã em novelas ? a platinada Leona, de ?Cobras & lagartos? (2006) ? Carolina afirma não levar as personagens para casa.

? Tenho minhas crises de choro lá mesmo. Fica tudo no estúdio ? garante.

Com Jéssica, não há descanso. Todos os momentos da personagem exigem uma carga dramática.

? Neste trabalho não tenho aquela coisa típica de novela, de gravar 30 cenas por dia, sendo que 20 são só para contar a vida da personagem e as outras 10 são as importantes. Hoje não vou ao Projac gravar qualquer coisa. Para uma atriz, isso é o suprassumo ? destaca

Fonte: O Globo