Gay, filho de Cristina Mortágua pede desculpas à mãe em carta

Alexandre enviou um comunicado à imprensa neste domingo.

Alexandre Mortágua, filho do ex-jogador Edmundo com a ex-modelo Cristina Mortágua nunca teve uma relação tranquila com os pais. Vez ou outra o estilista aparecia na mídia para protagonizar barracos na família.


Em carta após barraco, filho de Cristina Mortágua pede desculpas à mãe

Em agosto de 2011, o rapaz chegou a processar Cristina após ter sido agredido por ela em uma delegacia de polícia.

Neste domingo, 17, depois de entrar numa fase mais amistosa com a mãe, o estilista decidiu enviar à imprensa uma carta na qual pede, oficialmente, desculpas aos transtornos causados à ex-modelo. No texto, ele se refere ao episódio como ""a confusão da delegacia"" , e justifica que esse e outros densentedimentos foram causados por um ""período de raiva, negação e culpa"", causado pela ausência de Edmundo na vida do filho. Confira abaixo:

""Eu, Alexandre Mortagua de Souza, venho por meio deste e-mail publicamente pedir perdão á minha mãe. No dia da tragédia em Santa Maria, estava de férias em Londres mas acompanhei o caso todo e fiquei bastante comovido e sensibilizado com a morte de todos aqueles jovens e com o sofrimento e desespero de seus pais. Me coloquei no lugar de minha mãe, que sempre me criou com muito amor, e entendi sua superproteção. Acredito que muita gente da minha idade sente a mesma coisa, mas no caso da minha mãe existia uma razão mais profunda, que machucava um pouco mais. Ela cresceu acreditando ter sido abandonada pelo meu avô e sofreu alienação parental por parte de minha avó, que também foi mãe solteira. Hoje eu entendo que ela não desejava a mesma dor e sofrimento que passou na infância. Ela não queria que sua história se repetisse comigo mas com a ausência do meu pai, teve que me criar sozinha. Desde pequeno, só recebi silêncio e alienação (e é assim até hoje) por parte do meu pai e inconscientemente a culpava pelo pai que tinha (um pai que nunca compareceu a uma festa de aniversário sequer, com quem não tenho uma fotografia de recordação). Incapaz de obrigar meu pai a ser presente, sua preocupação e excesso de amor me sufocaram e eu não soube lidar sua superproteção. Passei (na verdade, passamos, porque ela sempre esteve do meu lado) por um período de raiva, negação e culpa que acabou prejudicando nossa relação e resultou no episódio que ficou conhecido como "a confusão da delegacia". De novo, peço perdão pelo ocorrido. Se ela errou, foi por excesso, nunca por falta. Me criou sozinha, levou fama de barraqueira por ter lutado pelos meus direitos como filho e sempre me poupou de tudo. Me protegeu, me amou, me respeitou e sofreu comigo, merece uma salva de palmas pela criação. Linda, inteligentíssima, de excelente coração e uma leoa pra proteger quem ama, só merece meu respeito, admiração e meu mais sincero pedido de desculpas. Hoje, nos entendemos, acima de qualquer coisa, como seres humanos e respeitamos muito o que o outro passou. Mãe, eu te amo. E meu pai não carrega a verdade com ele"".

Fonte: EGO