Filme pornô com travesti rendeu R$ 120 mil a Alexandre Frota

Filme pornô com travesti rendeu R$ 120 mil a Alexandre Frota

Ator estreia nesta segunda-feira, 24, o monólogo "Identidade Frota".

 

Alexandre Frota lança um show sobre sua vida nesta segunda-feira, 24, fazendo revelações curiosas e até polêmicas. Uma delas, segundo adiantou ao jornal "Folha de São Paulo", é sobre o valor que recebeu para fazer filmes pornográficos: R$ 500 mil para cinco filmes com mulheres, e mais R$ 120 mil para contracenar com uma travesti, "com a exigência de não ter nenhum contato com o p... dela", segundo conta.

Ele ainda fala sobre a ex-mulher, Claudia Raia. "Eu ia ser o Adão no Carnaval da Beija-Flor, nos anos 80, e a Claudia Raia, a Eva. Fiquei louco. Aquele mulherão ao meu lado na avenida! Só tinha um problema. Soube que ela tinha algo com o Jô Soares. Pensei: fodeu", conta. "Pensei: "A Claudia é a mulher da minha vida. Grande, gostosa, boca linda, cara de mulher de verdade, não de princesinha", emenda.

Ele ainda lembra como conquistou a atriz, que na época trabalhava com Jô Soares. "Tomei a decisão perigosa e irreverente. Fui à gravação do `Viva o Gordo" e lá estava Claudia vendo o Jô gravar. Falei: `Vim te buscar". Ela olhou pra mim, levantou da poltrona, estendeu a mão e veio comigo", detalha. "Corri muito atrás da Claudia. Sabia que algo não andava tão bem entre ela e o Jô", conclui.

Aos 48 anos, ele garantiu à coluna que decidiu agora "tirar o pé do acelerador e pendurar as chuteiras". Recém-casado em uma cerimônia evangélica, afirma não usar mais drogas e quer dar um tempo nas baladas. Mas isso não significa que deixou de lado as polêmicas. No espetáculo, tem um "cardápio de temas", com esse nome mesmo, no qual promete contar "babados" sobre Boni, Daniel Filho, Jô Soares e Claudia Raia, entre outros.

Ao "Jornal da Tarde" ele contou que planeja transpor sua vida a um livro, com apoio do jornalista André Barcinski. Ele quer relembrar seus tempos de galã na Globo, a amizade com Cazuza e Tim Maia, sua passagem pelo mundo das drogas e cinema.

Fonte: Ego, www.ego.com.br