Andressa Urach terá enfermeiros por 60 dias em casa; gastos com saúde já beiram R$ 400 mil

Andressa, que deixou na última quarta-feira (11) o hospital Alvorada, em Moema, bairro nobre de São Paulo, agora está recebendo tratamento de primeira classe

Se no ano passado Andressa Urach precisou do SUS para tratar suas infecções, em 2015 parece que a situação está bem melhor para ela.

Andressa, que deixou na última quarta-feira (11) o hospital Alvorada, em Moema, bairro nobre de São Paulo, agora está recebendo tratamento de primeira classe.

O quarto em que ela estava é um dos melhores do hospital, que só atende pacientes particulares: individual, com cama para acompanhante e até uma mini sala de estar.

Agora em casa, Andressa receberá, durante os próximos 60 dias, visitas diárias de uma equipe de enfermagem para trocar seus curativos e aplicar um antibiótico no cateter central que ela teve implantado no corpo.

Segundo o dr. Felipe Tozaki, médico de Andressa, o cateter é do mesmo tipo usado para fazer quimioterapia em pacientes com câncer. "Ela não pode ir pra casa com seringa, com agulha, então colocamos o cateter para fazer medicação em casa. Ela vai tomar 60 dias de antibiótico," diz ele, que não quis revelar o custo das cirurgias.

Fora as três cirurgias que precisaram ser feitas nas últimas duas semanas, os gastos de Andressa também incluem medicamentos, exames, procedimentos (como a colocação do cateter), fisioterapia, acompanhamento nutricional e psicológico. A soma de tudo isso é estimada em cerca de R$ 30 mil por dia, ou seja, quase R$ 400 mil.

Procurada, a Record diz que não comenta informações de convênios médicos e outros benefícios pagos a seus funcionários. Contratada em janeiro para participar do "Domingo Show", Andressa nem chegou a estrear na nova emissora.

O hospital Alvorada também se negou a comentar o assunto, considerado de foro íntimo da paciente. A assessoria de imprensa de Andressa Urach afirma que ela própria está custeando o tratamento.

VEJA A CRONOLOGIA DO CASO

2009

Andressa aplica cerca de 1 litro de hidrogel nas coxas (500 ml em cada), para deixá-las mais grossas. Anos depois, ela revelou que também já havia aplicado metacril (PMMA).

2012

Andressa faz novas aplicações de hidrogel e metacril, desta vez no bumbum.

julho de 2014

O corpo de Andressa começa a rejeitar o hidrogel. Ela tem febre, dores muito fortes e é submetida a uma  lipoaspiração para retirar o produto, mas ainda ficam resíduos.

28 de novembro de 2014

Ainda sentindo dores, ela é submetida a nova cirurgia para tentar remover os restos que ficaram do hidrogel.

30 de novembro de 2014

Andressa chega na casa da mãe, em Porto Alegre, com muita dor e mal estar. Por volta das dez da noite, começa a ter vômitos e desmaios e é levada às pressas para o pronto-socorro do hospital Conceição, onde é internada.

1º de dezembro de 2014

No hospital, Andressa é submetida a nova cirurgia para retirar os resíduos do produto e encaminhada à UTI, onde fica sedada recebendo antibióticos fortes para tentar combater a infecção.

3 de dezembro de 2014

Ainda na UTI, apresenta leve melhora e volta a respirar sem a ajuda de aparelhos.

11 de dezembro de 2014

Ainda na UTI, ela faz transfusões de sangue para repor o sangue perdido nas cirurgias.

12 a 23 de dezembro de 2014

Segue internada na UTI, fazendo fisioterapia e tratando a infecção.

24 de dezembro de 2014

Andressa recebe alta e vai para casa, passar o Natal com a família.

7 de janeiro de 2015

Andressa é internada novamente com quadro de infecção causado por uma nova bactéria. É liberada no mesmo dia.

27 de fevereiro de 2015

Após dois meses se recuperando em casa, Andressa sente fortes dores e é novamente internada em São Paulo, no hospital Alvorada.

1º de março de 2015

Andressa é submetida a nova cirurgia para retirada do hidrogel e metacril do glúteo esquerdo.

6 de março de 2015

A modelo recebe um cateter central no corpo.

11 de março de 2015

Andressa tem alta do hospital e continuará o tratamento em casa.




 

Fonte: FOLHA