"Negro apanha muito e tem que ficar calado", afirma rapper Emicida

O rapper sempre foi destaque por suas entrevistas polêmicas.

O rapper Emicida sempre se destacou com suas declarações polêmicas durante as suas entrevistas.  Para quem acha que o Rap deveria ocupar um pequeno espaço no canto do quarto, Emicida tomou de assalto a casa inteira. Ainda por cima, mesclou estilos, fez parcerias das mais diversas e provou que o artista não precisa se limitar a um gênero só.

Em mais uma entrevista, o rapper falou sobre racismo e preconceito no Brasil. Veja algumas declarações que Emicida deu na entrevista:

Image title

“Pessoas não nascem racistas, são ensinadas a serem racistas”

“Negro apanha muito no Brasil e ainda é incentivado a ficar calado”

“Tem pessoas que estão com a cabeça como se fosse 1800, que acha que a minha música e a minha pessoa tinha que ficar trancafiado em um gueto como se fosse uma cadeia. É uma conquista muito grande ofender estas pessoas.

“Quando eu saio para pegar um taxi e ele não para pra mim, que sou Emicida, aquilo ali é o Brasil de verdade. Aí você se põe no lugar dos irmãos que não estão com a cara na televisão, que não são Emicida. Pra mim, sinceramente, não poder pegar um táxi, tanto faz. Podia comprar o carro dele, inclusive”.

“Eu gosto muito da minha primeira Mixtape, mas ela é um retrato de 10 anos antes dela sair… Ela é tão fiel para mim que eu lembro até meu estado de espírito. Estava com fome, cansado e sem dinheiro”.

“Hoje me encontro em uma posição financeiramente melhor. Mas meu desejo de fazer música, de contar história, continua o mesmo”.

“Não quero que meu Rap seja só uma reprodução da música que acontece nos EUA”

“O que me fez chegar até aqui é que meu ponto de vista não está poluído pelas coisas que me cercam”.

“Minha vontade agora é fazer história em quadrinhos. Disco a gente já acabou de fazer um”.

Fonte: Manual do Homem Moderno