Garota é expulsa de bar por beijar parceira

Garota é expulsa de bar por beijar parceira

Retirada do local, estudante disse que companheira e ela "estavam safadas"

A estudante Mariane Comparoni, de 21 anos, reconhece que estava em um "amasso" com uma outra garota quando foi colocada para fora do Bar Aldeia, em Jundiaí, a 58 km de São Paulo, no domingo (13). A moça nega, no entanto, que as carícias fossem tão ousadas a ponto de justificar uma expulsão. O dono do bar diz que não foi truculento ao pedir que as moças se retirassem.

Mariane Comparoni disse que já tinha ido algumas vezes ao bar, mas nunca acompanhada por uma mulher. Ela conheceu Vanessa no local, naquela mesma noite. ?A gente estava se beijando, se amassando. Ela estava dando beijos no meu pescoço e no meu decote. Não no meu seio como ele [o dono do bar] está falando. Reconheço que estávamos safadas, mas não estávamos fazendo nada de tão grave?, afirma a estudante, que pretende prestar vestibular para cinema.

De acordo com Mariane, a sua companheira foi levada para fora do bar pela blusa. ?Quando a segurança me puxou, reagi. É claro! Ele [proprietário do bar] deveria ter falado alguma coisa, mas não ir nos colocando para fora daquele jeito?, diz.

O dono do bar Aldeia, Luiz Gonzaga Lima Neto, de 36 anos, afirma que, próximo ao balcão, as duas começaram a se beijar de maneira bastante ousada. ?Uma delas colocou o seio da outra para fora e começou a beijá-lo no meio do corredor?, afirma. ?Elas foram abordadas por uma segurança e colocadas para fora, sem força?, assegura. ?Não é uma questão de discriminação. Se fosse um casal hetero teríamos feito a mesma coisa. O nosso barman é homossexual assumido. Se eu fosse preconceituoso, não aceitaria?, diz.

A frentista Rosemeire de Sousa Araújo, de 34 anos, também contou que não observou nenhuma violência no momento em que as garotas foram colocadas para fora. ?Uma delas saiu primeiro. A segunda não queria sair, mas a segurança pegou a bolsa dela e a pegou pelo braço, mas não teve agressão? afirma. Rosemeire diz que, pouco antes do incidente, foi abordada por Vanessa dentro do banheiro. ?Ela fechou a porta, disse que me achava uma "gata" e que eu tinha que beijá-la. Ficou um clima chato porque pensei que ela iria me agarrar?, conta.

De acordo com a responsável pela Delegacia da Mulher, Fátima Giassetti , que comanda as investigações, o comerciante poderia convidar as duas para se retirar do bar, caso julgasse o comportamento inadequado com ambiente. ?É preciso ter bom senso. Não é uma questão de preconceito, mas é preciso respeitar algumas regras, porque alguns comportamentos são inadequados independente da opção sexual?, afirma.

A delegada ressalta, porém, que a polícia investiga se houve violência. ?Vamos interrogar o dono do bar, as duas envolvidas e testemunhas. Se elas foram colocadas para fora do bar com violência física, ele [o comerciante] perde a razão. A conduta correta seria convidá-las a sair. Caso elas não aceitassem, o certo seria chamar a polícia?, diz.

Fonte: g1, www.g1.com.br