‘Gosto de dominar. Nesse ponto eu me garanto bem fácil’, afirma ex-BBB Roni

Nos bastidores do Paparazzo, modelo garante nunca ter falhado na hora "H" e diz que já levou cantada de homens: "Mas sempre impus o meu respeito".

O ex-BBB Roni Mazon é o típico rapaz do interior. Bem diferente da imagem que passou no reality show, ele chega falando baixinho. Com voz mansa, o modelo faz questão de falar pessoalmente com cada um dos integrantes da produção do ensaio fotográfico para o Paparazzo, que vai ao ar nesta quarta-feira,12. Em menos de dois minutos, Roni já está à vontade no galpão da Galeria de Arte Olho da Rua, em Botafogo, no Rio, lugar escolhido como cenário para as fotos.


賎osto de dominar. Nesse ponto me garanto f當il, afirma ex-BBB Roni

Metrossexual assumido, ele dá uma olhada nas roupas que compoem o tema do ensaio, streetwear (moda de rua). Ao passar por um espelho, Roni dá uma parada para ajeitar o topete. Ao ser questionado sobre sua vaidade, ele é objetivo.

?Eu gosto de me cuidar. Mas não vejo só como uma vaidade. Tomar banho e estar com as unhas sempre limpas, até porque eu gosto de cozinhar, é uma questão de limpeza e higiene?, explica o modelo de 27 anos, que, apesar de não ter muitos pelos no corpo, recorre à depilação para manter peitoral, abdômen e braços lisinhos.

Cremes e perfumes

Passar hidrante na pele é o único ritual de beleza do modelo. Por trabalhar com a imagem, ele assume: ?Costumo passar creme no corpo para não estourar estrias. Não sei se isso resolve mesmo, mas gosto de manter a pele bem hidratada?.

Apaixonado por malhação ? ele vai à academia seis vezes por semana ? , Roni garante não ter frescura na hora do banho. ?Uso o xampu e o condicionar que estiver no banheiro. Se o cabelo ficar um pouco macio e sedoso está valendo?, brinca o paulista, que aprendeu a cortar o próprio cabelo para manter o corte em dia. Ele também não abre mão de um bom perfume: ?Gosto muito de estar cheiroso. Por isso, passo bastante perfume. Uso diferentes marcas para não enjoar ?.

"Já levei cantadas de homens"

Taxado de gay e machista durante o programa por alguns dos participantes e por parte do público, Roni diz não se preocupar com as críticas. ?Trabalho como modelo há sete anos e já levei cantadas de homens, principalmente maquiadores e produtores. Se você dá liberdade, eles vão fazer uma brincadeirinha mais besta. Mas eu sempre impus o meu respeito e, por isso, nunca foram ofensivos e nunca chegaram com tudo para cima mim. Eu nunca dei espaço?, afirma.

O modelo, que já teve sua fase pegador quando morava no exterior, diz que entre quatro paredes não vale tudo. ?Eu coloco os meus limites.

Todo homem tem a fantasia de ir para cama com mais de uma mulher ao mesmo tempo. Eu nunca fui e estaria mentindo se eu falasse que não quero (risos). Mas isso combina mais com a vida de solteiro e hoje estou em uma fase mais de namorar?, garante.

Roni afirma que nunca falhou na hora "H" e se gaba de ainda não ter usado acessórios na cama para esquentar a relação. ?Não me acho a última bolacha do pacote. Mas nesse ponto, eu me garanto fácil. Nunca precisei de nada. Eu deixo a situação fluir até certo ponto. Mas eu gosto mesmo de dominar. Nunca fui o dominado?, assume.

Família sempre presente

Antes de começar o ensaio fotográfico, Roni faz questão de pedir a opinião da mãe, a costureira Maria de Lourdes, que costuma acompanhar o rapaz em parte dos trabalhos. Roni lembra que a oportunidade de ser modelo surgiu durante uma festa regional de agropecuária em sua cidade natal Iacri, no interior de São Paulo.

?Na época eu era o patinho feio da galera. Usava cabelão e óculos fundo de garrafa porque era muito míope. Trabalhava como servente de pedreiro e em granjas. Sempre fui o mais tímido da turma e não gostava de tirar fotos em aniversários. Nunca imaginei que pudesse ser modelo. Mas guardei o cartãozinho do olheiro no bolso da calça?.

Três dias depois da festa, ele conta que sua mãe foi lavar a roupa e viu o papel: ?Ela ficou doida. Saiu ligando, marcando e me levou na agência em Presidente Prudente, cidade vizinha de Iacri. Ela foi a grande responsável (risos)?, afirma Roni, que já morou em mais de dez países e estrelou campanhas de moda internacionais.

Fonte: EGO