Império de Casa Verde desfila com tigre gigante de 55 m

Escola foi a última a desfilar pelo grupo especial de SP no Anhembi

Gracyane Barbosa foi rainha da bateria da Império da casa Verde (Foto: Raul Zito/G1)A Império de Casa Verde, última escola do grupo especial a desfilar no Sambódromo do Anhembi, Zona Norte de São Paulo, este ano, contou na avenida sua própria história, construída ao longo de 15 anos. Para isso, a escola usou os feriados como pano de fundo.

Enquanto o domingo (22) amanhecia, a escola, que em 2008 ficou em nono lugar na classificação geral, agitava o Anhembi. Entre os intérpretes, o cantor Belo entoava o samba da agremiação. O músico chegou atrasado ao sambódromo. Ao ser questionada pelos jornalistas, a direção da escola informou que o atraso ocorreu devido a questões judiciais. Quem também participou do desfile foi a namorada dele, a dançarina Gracyane Barbosa, que desfilou como rainha de bateria.

O primeiro carro da Império colocou na avenida a magia da Páscoa, primeira grande festa religiosa logo após o carnaval. O segundo carro também mostrou uma ?festa da fé?, com a representação do Natal. Mas, ao contrário do que se podia esperar, no lugar do nascimento do menino Jesus, a escola mostrou toda a riqueza da ficção do Papai Noel, com um imenso trenó puxado por renas.

A ala das baianas foi um dos destaques da escola. Vestidas de branco, azul e dourado, elas dominaram grande parte da avenida, em uma simbologia a Nossa Senhora Aparecida.

A ala infantil, que mostrou o Dia das Crianças, colocou na avenida vários casais de mestre-sala e porta-bandeira mirins. De rosa e branco, eles pareciam príncipes e princesas mirins. Mesmo com o dia claro, a escola empolgou a arquibancada do Anhembi.

O quarto carro representou o amor, comemorado das mais diversas formas. Um imenso urso branco de 8 m de altura, representando os bichinhos de pelúcia dados pelos namorados, enfeitava a alegoria que tinha ainda uma pomba branca que carregava duas alianças, simbolizando o casamento. Várias crianças eram destaques do veículo que deixava expressa a importância da família.

Tigre gigante

O último carro da escola levou para avenida um tigre, símbolo da Império, de 55 metros de comprimento. O ?Tigre Guerreiro? foi o maior carro do carnaval paulista e o objetivo da escola é que ele entre para o livro dos recordes. Antes de o carro entrar na avenida, Júnior Marques, da comissão de carnaval da Império, elogiava a alegoria. ?Vamos entrar para a história do carnaval com a maior escultura articulada.?

Tigre de 55 m de comprimento que fez parte de desfile da Império da Casa Verde, que fechou apresentações do grupo especial (Foto: G1/G1)Só para a confecção da alegoria, foi necessário um espaço à parte no barracão da Casa Verde. O carro fazia mais de 20 movimentos, entre piscar de olhos, rugir e mexer a cabeça e orelhas. Foram usados 3.000 metros quadrados de pelúcia e 20 toneladas de ferro para construir o animal. Junto com o tigre, o carro levava um bolo gigante para comemorar o aniversário da escola.

A Casa Verde entrou na avenida às 5h38 e deixou o sambódromo às 6h37, dentro do tempo regulamentar como todas as outras escolas paulistanas do grupo especial neste ano.

Na noite deste domingo é a vez de as escolas do grupo de acesso percorrerem o Sambódromo do Anhembi. Combinados de Sapopemba, Morro da Casa Verde, Imperador do Ipiranga, Águia de Ouro, Camisa Verde e Branco, Barroca Zona Sul, Acadêmicos do Tatuapé e Dragões da Real irão se apresentar ao público e lutar por duas vagas no grupo especial.

Fonte: AE/G1