Infraero registra atrasos em 19% dos voos domésticos

Dos 1.566 voos previstos, 299 tiveram atraso e 66 foram cancelados.

Dos 1.566 voos programados para decolar até as 15h desta segunda-feira (27) nos principais aeroportos do país, 299 tiveram atrasos superiores a 30 minutos, o que representa 19,1% do total. Outros 66 voos (4,2%) foram cancelados. Os números fazem parte de balanço divulgado pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

No Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, dos 128 voos previstos, 37 (28,9%) registraram atrasos e seis (4,7%) foram cancelados. No Aeroporto de Congonhas, das 137 partidas previstas, 26 (19%) registraram atraso e 13 (9,5%) foram cancelados.

No Rio de Janeiro, no Galeão, das 68 decolagens programadas, 16 registraram atraso (23,5%) e uma foi cancelada. Já no Aeroporto Santos Dumont, de 96 partidas previstas, 17 registraram atrasos (17,7%) e 12 foram canceladas (12,5%).

No Aeroporto Tancredo Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, dos 81 voos previstos, 29 (35,8%) registraram atraso e seis (7,4%) foram cancelados. No Aeroporto da Pampulha, dos 22 voos programados para decolar até 15h, dois registraram atrasos (9,1%). Não houve cancelamentos, segundo a Infraero.

Voos internacionais

Dos 111 voos internacionais previstos até as 15h, 20 (18%) registraram atrasos e quatro (3,6%) foram cancelados.

Nesta segunda-feira, nevascas que atingem a Costa Leste dos Estados Unidos causaram o cancelamento de mais de 2 mil voos no país. Nova York amanheceu com os aeroportos de JKF, La Guardia e Newark Liberty fechados.

No Brasil, a nevasca causou reflexos em partidas e chegadas da TAM, que foram canceladas durante a manhã. Apesar dos transtornos, voos previstos para decolar do Brasil para Nova York, por diversas companhias aéreas, na noite desta segunda permanecem confirmados.

Transtornos

Durante a semana do Natal, os passageiros que tinham viagem de avião marcada enfrentaram alguns transtornos. Aeroviários e aeronautas ameaçaram entrar em greve para reivindicar reajuste salarial.

Na quarta-feira (22), o Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou que 80% dos trabalhadores devem continuar trabalhando até o início de janeiro. Em caso de descumprimento, a multa diária é de R$ 100 mil. Em assembleia na manhã de quinta-feira (23), os funcionários decidiram suspender a paralisação.

Fonte: g1, www.g1.com.br