"Já transei até em cima de um jet ski", conta Mari Silvestre no Paparazzo

Coleguinha do "Caldeirão do Huck" e Miss São Paulo 2012 mostra as curvas e muito mais no ensaio que entra no ar neste sábado, 9.

Mari Silvestre se considera uma aventureira. Ama esportes radicais como rafting - embora não o pratique há anos -, trilhas e natureza em geral. Criada em um sítio em Araraquara, no interior de São Paulo, a coleguinha do "Caldeirão do Huck" e Miss São Paulo 2012 revela que a transa mais inusitada de sua vida foi justamente em um cenário de aventura. "Aconteceu em cima de um jet ski, durante um passeio a uma represa. Não foi planejado. Passamos o dia nadando, pescando e, quando bateu aquela vontade, demos um jeito de ser ali mesmo", conta a moça, que namorou o rapaz por três anos, mas prefere manter seu nome em segredo. "Foi uma relação muito intensa e estamos separados há um ano e meio", diz ele, nos bastidores do ensaio para o Paparazzo.



Intensa também foi a primeira vez de Mari. A beldade, que estrela a capa da revista "Playboy" de dezembro, deixou de ser virgem aos 16 anos, com um namorado de 31. "As pessoas se chocam com a diferença de idade, mas eu sempre fui madura. Além disso, aos 15 já parecia mais velha. Ele me conquistou pela gentileza, pelo carinho. Quando começamos a namorar eu já sabia que seria com ele minha primeira vez. Foi intensa e romântica. Estávamos apaixonados", diz ela, que chegou a usar anel de compromisso e pensava em casar.

Mari continua pensando em formar uma família. Mas não agora. "Estou focada na minha carreira. Fiz Jornalismo e sonho ser apresentadora. Já me disseram para tentar a carreira de atriz, mas não é a minha praia. Levo jeito para a comunicação", afirma.

Se o fato de ser falante e desinibida for requisito para que ela atinja suas metas profissionais, Mari já chegou lá. A moça é carismática e conquistadora nata. Foi assim que conseguiu convencer o pai, ciumentíssimo, a deixá-la virar modelo, a se mudar para o Rio de Janeiro e a posar nua. Mas se falar em namorado com o Sr. Clóvis... "Ele fecha a cara, não quer nem conhecer. Depois vai amolecendo um pouco, mas meu pai acha que não tenho que me envolver com alguém agora para focar nos meus objetivos", explica.

Não será tão fácil desviá-la do foco. Com fama de difícil, Mari só deu o primeiro beijo na boca aos 14 anos. "Foi horrível! Nunca mais vi a cara do menino", conta. Baladeira na adolescência, acompanhava as primas e amigas dez anos mais velhas em shows pela cidade e entrava fácil em boates, porque já aparentava ser maior de idade. Hoje, aos 21 anos, 1,76m e 63 kg, Mari é mesmo o que se chama por aí de mulherão. "Sempre fui assim, chamava a atenção. E sempre de homens mais velhos. Hoje, vou te dizer que prefiro os novinhos", admite ela, que andou "pegando" o ator Guilherme Leican no Rock in Rio: "Foram só uns beijos. Escolho demais, por isso devo estar solteira".

Lingerie e vinho tinto

Cercada de gente interessante diariamente, por conta do trabalho na TV e exposição, Mari jura que não cai em qualquer tipo de cantada. "Sou conquistada pelo olhar e gentileza. Já namorei o que chamam de feio porque o cara sabia me fazer rir", diz ela, que para uma noite apimentada não dispensar lingerie e vinho: "Um vinho tinto pode fazer loucuras. Entre quatro paredes, se os dois se curtem, vale tudo. Só não gosto muito de brinquedinhos eróticos. Não tem a ver comigo, acho que começaria a rir na hora", garante.

Parecida com o pai no quesito ciúme, Mari conta ainda que jamais participaria de um "mênage a trois": "Jamais! Se eu visse meu namorado dando prazer a outra eu enlouqueceria. Sou possessiva demais para isso. E além disso não tenho o menor desejo em mulher".

Para o ensaio que vai ao ar neste sábado, 9, Mari quis se transformar em uma guerreira do futuro. De um futuro meio destruído, a bem da verdade. Com inspiração na trilogia "Mad Max", ela posou em um prédio desativado na Zona Norte do Rio: "Queria muito essa transição de imagem entre a miss e a Mari de agora".

Fonte: EGO