Luciano Huck e Marcelo Tas trocam críticas pelo Twitter

Luciano Huck confundiu o nome do programa apresentado por Tas, chamando-o de "CGC

O apresentador de televisão Luciano Huck, que aderiu ao serviço de microblogs Twitter no final de maio, está envolvido em uma suposta polêmica com o também apresentador Marcelo Tas no site: ambos trocaram farpas nesta segunda-feira (6), a respeito da popularidade de cada um no serviço.

Recentemente, no entanto, os apresentadores trocavam elogios entre si a respeito dos respectivos trabalhos desenvolvidos na televisão. Em meio aos elogios, repetidamente, Huck confundiu o nome do programa apresentado por Tas, chamando-o de "CGC".

Hoje, o perfil de Huck ultrapassou os 149 mil seguidores, número acima do registrado por Tas, que detém 135 mil perfis acompanhando suas atualizações no Twitter. Na noite de ontem, o apresentador do "CQC", da Band, questionou: "alguém criou twitter extra só pra participar dos sorteios q meu caro colega @huckluciano promove para aumentar seus seguidores?"

Em seguida, retransmitiu uma mensagem do cantor Leo Jaime, na qual dizia que "Não entendo esse negócio de comprar seguidores ou fazer script [aumentar o número de seguidores, a partir de programas da internet]. É como ter plateia de figurantes em seu show. Pra quê?"

Huck, que apresenta o programa "Caldeirão do Huck" na Rede Globo: afirmou: "Hoje vamos bater os 150.000!! Tem gente morrendo de ciúme da nossa turma daqui. Vamos com tudo!!!", afirmou em seu perfil. Logo em seguida, alfinetou: "Um monte de gente me criticou. Achei que seria mais bacana distribuir para a turma, do que vender patrocínio do meu twitter e só eu ganhar."

O apresentador do "CQC" respondeu. "Distribua também o patrocínio do Caldeirão!", disse, retransmitindo a mensagem de Huck.

Marcelo Tas fechou um acordo publicitário com a Telefônica, a fim de divulgação do Xtreme, serviço da empresa espanhola que oferece TV fechada, internet e telefone por fibra óptica.

Devido ao contrato, o apresentador do "CQC" foi alvo de críticas dos internautas durante a pane do Speedy em abril. O serviço também é oferecido pela Telefônica.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br