Michael Jackson era nazista e mandou matar seu irmão Randy, diz ex-segurança do cantor

Michael Jackson era nazista e mandou matar seu irmão Randy, diz ex-segurança do cantor

Ele também revelou ao jornal britânico que o Rei do Pop já teve um rápido relacionamento com Whitney Houston

De acordo com informações do site do The Sun, Michael Jackson mandou matar seu irmão Randy, segundo Matt Fiddes, ex-guarda-costas e também confidente do cantor.

"Michael estava em uma guerra com seus irmãos há alguns anos. Eles estavam desesperados por uma turnê de reunião do Jackson Five. Em 2005 ele estava paranóico, a ponto de impedir que sua família entrasse em casa", explicou ele.

"As coisas chegaram nesse ponto quando Randy tentou furar a segurança para falar com Michael. Foi ai que ele ordenou que ele fosse morto", completou o segurança. "Ele estava fora de controle por causa das drogas e, felizmente, Randy respeitou e nada aconteceu", contou Matt.

Na última semana, o ex-guarda-costas de Michael também revelou ao jornal britânico que o Rei do Pop já teve um rápido relacionamento com Whitney Houston, na década de 90. O cantor também era simpatizante do nazismo e ficou impotente por muitos anos, em decorrência do remédios e drogas que tomava.

Outro assunto comentado pelo segurança do cantor foi Madonna. Que os dois não se davam não é novidade, mas Matt contou que ele a desprezava tanto que colocou o nome da cantora em uma de suas cobras de estimação. "Ele comprou uma jiboia quando estávamos em Londres. Ele disse: "vou chamá-la de Madonna, por causa do veneno"", revelou.

O Rei do Pop também nunca escondeu a mágoa que guardava de Steven Spielberg, depois que o diretor recusou que Michael ficasse com o papel de Peter Pan em Hook - A Volta do Capitão Gancho, mas a novidade é que Matt confirmou um antigo boato, que começou em 2003. Segundo o guarda-costas, o cantor realmente fez um boneco de vodu para prejudicar Spielberg.

Ainda de acordo com a entrevista concedida por Matt ao The Sun, Michael tinha um estoque muito grande de pornografia - ainda que não tenha especificado se em vídeos ou fotos.

"Michael sofreu até o final de sua vida pelo o que tinha feito com sua pele. Ele passava produtos para clarear inclusive em seus órgãos genitais", contou. "Algumas partes de seu corpo, como as pernas, ainda eram negras, porque o que ele usou para clarear não funcionou nessa região", completou ele. Matt disse ainda que o cantor era obcecado por se tornar um "branco leitoso".

Outra informação íntima de Michael Jackson que veio à público na entrevista do guarda-costas é a fantasia sexual que o cantor alimentava por Pamela Anderson durante os últimos anos de sua vida. "Ele ficou encantado com ela depois de ver seus seios. Ele dizia que era como uma obra de arte e uma escultura enviada por um anjo do céu".

As informações vieram à tona na última semana, enquanto Matt Fiddes garante ser o pai biológico do filho mais novo de Michael Jackson. "Eu dei uma amostra de esperma em 2001, quando ele disse que queria uma criança "atlética"", explicou. Segundo o guarda-costas, ele apenas quer se aproximar um pouco do suposto filho.

Fonte: Terra