Mulher adota mais de duzentos cães e gatos

Mulher adota mais de duzentos cães e gatos

Rosélia Aparecida cuida de 150 cães e 56 gatos em Ponta Grossa (PR)

A dona de casa Rosélia Aparecida Elbl Vanat, de 46 anos, abriga em sua casa, em Ponta Grossa, no Paraná, 150 cães e 56 gatos. Os animais, segundo conta, são em geral vítimas de violência e abandono e foram "adotados" das ruas. O cuidado de Dona Rosélia com os bichos, no entanto, tem criado problemas com os vizinhos.

?Tenho muitos cães e gatos idosos, com deficiências, cegos, atropelados, animais excluídos, que foram queimados e mutilados, por exemplo. Eu cuido deles e acho que estou fazendo um bem à sociedade?, diz Dona Rosélia.

Ela afirma que sempre teve cães e gatos em casa, mas desde 1999 recolhe animais abandonados e acabou virando referência na região. ?Hoje, 30% dos animais que tenho peguei nas ruas. Os outros 70% foram jogados pelo meu muro. Tenho até placas pedindo para que parem de jogar, mas não adianta. Eles vêm de madrugada. Nunca tive animais que procriaram em casa porque todos aqui são castrados, mas já aconteceu de jogarem cadelas grávidas e elas acabam tendo filhotes aqui?, diz.

Mas a grande quantidade de animais adotados por Dona Rosélia incomoda os moradores da rua. De acordo com o Ministério Público, houve uma denúncia de vizinhos que reclamam do mau cheiro e do barulho dos cães e gatos, principalmente de madrugada. ?Recebemos um abaixo-assinado com 19 assinaturas relatando que a situação estava insuportável. Estamos verificando a denúncia e buscando alternativas?, diz Carlos Fabiano Goulart, assessor jurídico do MP do Paraná.

?As pessoas dizem que sou louca, mas eu amo os bichos. Passamos muita dificuldade aqui porque eles comem cinco sacos de 15kg de ração por dia, mas compensa. O que levamos dessa vida é a bondade que deixamos", diz a dona de casa.

Já sobre a insatisfação dos vizinhos, Dona Rosélia afirma que pretende encontrar uma solução. ?Sou uma pessoa que não brigo com ninguém e não estou fazendo nada por mal, só estou fazendo pelos animais. Tivemos um anjo que não quer se identificar que cedeu um terreno, mas preciso de tempo para estruturar esse local e levar os animais."

Fonte: g1, www.g1.com.br