Naomi participa de julgamento em tribunal

Naomi participa de julgamento em tribunal

Promotoria quer ligar acusado aos diamantes presenteados à modelo

Testemunha em processo de acusação de crimes de guerra contra o ex-presidente da Libéria, Charles Taylor, a modelo Naomi Campbell confirmou, nesta quinta-feira (5), no Tribunal Especial de Haia para Serra Leoa, ter recebido em setembro de 1997 diamantes de presente.

Com o depoimento da modelo britânica, a promotoria pretende ligar diretamente Taylor aos diamantes. O ex-presidente da Libéria é acusado, entre outras coisas, de ter financiado a Frente Unida Revolucionária durante a guerra civil de Serra Leoa em troca de diamantes brutos.

Taylor nega essas e todas outras acusações e afirma que não tem nada a ver com os diamantes.

Ao Tribunal, Naomi afirmou que recebeu uma bolsa com pequenas pedras após um jantar na casa do então presidente sul-africano Nelson Mandela. Ela diz ter sido acordada durante a noite por dois homens que lhe entregaram o presente. ?As pedras eram pequenas e pareciam sujas?, disse.

Naomi afirmou ainda que o jantar na casa de Mandela foi a primeira e única vez que se encontrou com Taylor.

As alegações vieram à tona no ano passado, quando a atriz Mia Farrow, que também estava presente no evento, soube que Taylor estava sendo julgado por crimes de guerra. Ela escreveu ao tribunal afirmando que Naomi teria contado ter recebido os diamantes.

As duas participaram do jantar, entre outras celebridades, oferecido depois da viagem inaugural do Blue Train, um Expresso do Oriente sul-africano, que estava sendo promovido por Mandela. Os convidados permaneceram hospedados na casa do então presidente por alguns dias, e, antes e durante o jantar, Taylor foi visto conversando com a modelo.

A ex-agente de Naomi Campbell, Carole White, contou ao tribunal ter ouvido Taylor dizer à modelo que gostaria de presenteá-la com diamantes.

O caso está sendo julgado há mais de dois anos, e a participação da modelo no caso despertou o interesse da mídia ocidental.

Fonte: g1, www.g1.com.br