No teatro, Tiago Abravanel revela: ‘Sofro preconceito por ser neto do Silvio Santos’

No teatro, Tiago Abravanel revela: ‘Sofro preconceito por ser neto do Silvio Santos’

Ele podia te optado por ser apenas neto de Silvio Santos, e ter uma vida bem confortável

Ele podia te optado por ser apenas neto de Silvio Santos, e ter uma vida bem confortável. Mas Tiago Abravanel, 23 anos, quis mais, quis ser ator. Não de novelas do SBT - apesar de já ter atuado em uma trama da emissora do avô, a convite do autor Tiago Santiago -, mas de musicais, uma paixão que cultivou desde criança vendo desenhos da Disney.

?Sempre fui fascinado pelos desenhos da Disney, fascinado pela possibilidade de juntar interpretação, música e dança. Aliás, sou um bailarino frustrado (risos)?, diz o gordinho, que no palco do teatro Carlos Gomes, no Rio de Janeiro, bota para quebrar na pele de Tim Maia no musical ?Tim Maia - Vale Tudo?, que tem direção de João Fonseca, e é inspirado no livro do jornalista Nelson Motta.

O caminho mais longo e improvável tem dado certo. A primeira temporada, que iria até o dia 4 de setembro, lotou; a segunda que foi estendida até o dia 11, esgotou, e Tiago já comemora a terceira empreitada a partir do dia 30 no palco do teatro ?Oi Casagrande?. ?Tem cambista na porta! Nunca vi isso em teatro?, diz ele.

Para saber mais sobre o neto do ?Homem do Baú?, o EGO foi conversar com Tiago Abravanel, e acompanhar sua incrível transformação no homem que achava que valia tudo.

EGO: Como ficou sabendo do papel para viver Tim Maia?

TIAGO ABRAVANEL: Soube que tinham aberto testes para o papel principal, que era muito específico. Mandei meu material e, na semana seguinte, me falaram que eu tinha passado. A princípio, eu ia dividir o papel com outro ator, mas na primeira leitura, o João Fonseca, diretor do espetáculo, disse que gostou de mim e que eu podia fazer as duas fases do Tim.

Qual era a sua ligação com Tim Maia?

Não era fã porque, quando ele morreu, eu era muito novo. O Tim não fazia parte da minha vivência, mas sempre ouvia a música dele em alguma festa. Mas nunca tinha pensado em cantar Tim Maia profissionalmente.

A peça é baseada no livro do Nelson Motta e conta uma história de vida muito louca. Em algum momento você chegou a julgar ou se assustar com o Tim?

A gente sempre defende um personagem. Mas nunca tinha feito um personagem que realmente existiu, uma figura que teve no meio de muitas pessoas e ainda está no subconsciente de muita gente. Li o livro, vi mais de 20 horas de vídeo, ouvi quase a discografia toda dele, além de ter tido contato com pessoas que conviveram com ele. Tive um universo de pesquisa muito grande, e já me peguei pensando: ?Velho, olha o que você fez com sua vida?? (diz em tom bravo), mas ao mesmo tempo, eu consigo entender. A grande exposição da sua imagem, da sua arte, pode tirar seu pé do chão. Não vale você ganhar o mundo e perder a si mesmo. O Tim era um artista, mas acima de tudo, era um ser humano sem limites. Se ele podia ir até a página três, ele ia até a cinco. Se ele podia cheirar seis carreiras de cocaína, ele cheirava doze! Ele era extremista tanto para o lado positivo, quanto para o lado negativo.

Você tinha noção de que faria esse sucesso todo?

Quando me falaram sobre o musical, achei muito bacana, e imaginei que no Rio de Janeiro haveria uma comoção maior por ele ser daqui. Mas nunca imaginei que seria esse furacão. Tem cambista na porta! Nunca vi isso em teatro. Antes de estrear, fizemos uma apresentação para a imprensa, e as pessoas diziam que já era um sucesso antes de estreia. Depois que estreou então, virou o que está sendo até hoje.

Quanto tempo você teve de preparação?

Um mês e meio só, foi pouquíssimo tempo. Estava gravando a novela ?Amor e Revolução? quando me chamaram. Saí da trama em três semanas. Comecei a ensaiar no dia 16 de junho, e no dia 28 de julho fazia a primeira apresentação.

Você teve que fazer alguma mudança física para o personagem? Engordar, por exemplo?

Nada! Muito pelo contrário! Até emagreci com os ensaios, perdi quase sete quilos. Eu tinha bigode e barba na novela. Tirei a barba, e deixei a costeleta e o bigode.

Imagino que você sempre tenha sido gordinho. Isso já foi um problema na sua vida?

Sim, nasci bolota (risos)! Na adolescência, tive crise sim. Como ator, já quis muito um personagem, mas não pude fica com ele por estar acima do peso. Mas nunca me limitei por causa disso. No teste para o musical ?Miss Saigon?, por exemplo, me disseram que tinham gostado de mim, mas teria que emagrecer. O segundo teste seria um mês depois, e emagreci 12 kg. Quando cheguei no ensaio, o povo me olhou e perguntou: ?O que você fez? (risos)?.

Agora, vivendo o Tim, você já se pegou agradecendo ?ainda bem que eu sou gordinho??

Acho que na vida nada é por acaso. Na adolescência, eu pensava que não ia conseguir trabalho. Hoje eu tenho noção de que eu posso trabalhar e buscar personagens com o meu perfil. Dificilmente um galã magrelo faria o Tim Maia. Nesse caso, eu que estou me dando bem(risos). No caso do Tim, tive uma sorte porque raramente iam pensar em uma pessoa da família do Silvio Santos vivendo o Tim Maia. Um branco? Cantando Tim Maia? Talvez essa seja uma das surpresas para as pessoas quando me veem no espetáculo e não veem mais o branquelo neto do Silvio.

Você já sofreu preconceito por ser neto do Silvio Santos?

Acho que sofro um pouco até hoje. Acho que agora, as pessoas têm oportunidade de conhecer meu trabalho e perceber que, se estou aqui, é por um mérito, pelo meu esforço. Nunca tive nenhuma oportunidade só pelo meu sobrenome. Obviamente que as pessoas me olham com outros olhos: ?Ele é neto do Sílvio Santos. Deixa eu ver o que vai sair daí? . Mas meu trabalho é completamente independente do meu sobrenome. Mas já ouvi pessoas do meio dizerem: ?Ele só está na novela porque é neto do Silvio?, ?Só está no ?Miss Saigon? por causa do Silvio?. Ninguém sabe que eu passei por sete testes, que foi o Tiago Santiago que me chamou para a novela porque foi me ver no teatro. As pessoas têm um pré-julgamento que me deixa muito triste, chateado porque me reduzem a um sobrenome. Mas, graças a Deus, estou tendo um reconhecimento que está fazendo as pessoas enxergarem o Tiago artista e não o neto do Silvio Santos.

O que o Silvio achou que você queria ser ator?

Quando decidi entrar para essa carreira, meu avô teve uma conversa bem severa comigo. Ele disse: ?Você tem certeza que é isso que você quer fazer? Sua vida como meu neto já é complicada. Você entrando no meio artístico e sendo parente de uma pessoa pública, sua vida vai virar uma loucura. Você tem noção disso??. Falei que não tinha noção de nada, mas que não conseguia me ver fazendo outra coisa. Não consigo me ver trabalhando em um banco ou atrás de uma mesa de escritório. Prefiria aprender a tocar violão e me apresentar ao lado da barraca de coco (risos).

Alguma vez ele já tentou te dar uma ?cantada? com algum emprego ou cargo no SBT?

Ele nunca falou abertamente sobre isso, me jogando uma bola. Mas sempre fui muito independente. Minha mãe sempre me orientou para correr atrás das minhas coisas. Claro que minha família me ajudaria se eu tivesse passando necessidade, mas nunca precisei do meu avô para fazer nenhum trabalho na minha vida. Quando me dei conta do que era ser de uma família como essa, me preocupei. Pensei: se um dia isso cair no meu colo, o que eu vou fazer? Fui estudar Rádio e Tv, para entender um pouco mais desse universo, mas sentia muita falta do teatro, e larguei para a fazer a faculdade de teatro, que acabei largando também para vir fazer a peça no Rio.

le já veio te assistir?

Não veio ainda.

Não tinha ingresso(riso)?

Não(risos)! Falei com ele semana passada, e ele estava enlouquecido com compromissos profissionais. Ele vai esperar a reestreia aqui no Rio e, se não conseguir, vai esperar quando a gente for para São Paulo.

Por que tantos musicais no currículo?

Sempre fui fascinado pelos desenhos da Disney, desde pequeno. Sempre fui muito ligado à interpretação e a música. Meu primeiro trabalho, ainda no prézinho da escola, foi os ?Saltimbancos?, do Chico Buarque. Depois, conheci uma escola voltada para musical e fiquei fascinado com a possibilidade de juntar interpretação, música e dança. Aliás, sou um bailarino frustrado (risos). Mas não sou só ator de musical, isso não impede de eu fazer outras coisas. Não sou ator só de musical, nem só neto de Silvio Santos (risos). Não gosto de rótulos.

Tem alguma das frases clássicas do Tim Maia que te inspira de alguma forma?

Acho que a grande frase do Tim, que resume o que eu estou vivendo, e o que era ele é: ?Tudo é tudo, e nada é nada? (risos).





Fonte: EGO