Nos 50 anos do seu programa, Silvio Santos perde a vergonha e as calças

O BAÚ DO SILVIO: Momentos marcantes da trajetória do empresário e apresentador; leia

Para alguém conhecido, no início da carreira, como "o peru que fala", graças à vermelhidão causada pela timidez diante do auditório, Silvio Santos passou por uma notável transformação nos 50 anos à frente do programa que leva seu nome. Hoje, está totalmente sem vergonha.


Nos 50 anos do seu programa, Silvio Santos perde a vergonha e as calças

Nos 50 anos do seu programa, Silvio Santos perde a vergonha e as calças

Nos 50 anos do seu programa, Silvio Santos perde a vergonha e as calças

Só nos últimos meses, perdeu as calças no ar (e deixou a cena ser exibida), constrangeu convidados com comentários irônicos e maldosos e vem falando palavrões e piadas sexuais em seu programa. Está, como se diz na gíria, "soltinho" aos 81 anos.

A postura tem surpreendido não só as "colegas de auditório", os convidados e os espectadores, mas seus próprios funcionários. Tem também reavivado o status de ícone para a geração das redes sociais, que replicam vídeos com seus "melhores momentos" pela internet.

"Acho que o Silvio Santos nunca atravessou uma fase tão despojada, tão à vontade. Até me assustei um pouco", diz o apresentador Luis Ricardo Monteiro, que, há mais de 30 anos no SBT, precisou lidar recentemente com o patrão detonando no ar os produtos que tentava vender.

Para Monteiro, após superar "os problemas que o grupo [Silvio Santos] teve" --fraude no Banco PanAmericano em 2010 e venda do Baú da Felicidade em 2011--, o empresário "soltou as amarras". O momento atual se assemelharia, diz ele, aos primórdios do SBT, quando Silvio tinha "um papo reto".

"Ele falava "olha, podem assistir à novela da Globo, depois começo o filme aqui no SBT". Era mais solto e, ao longo do tempo, como presidente da emissora, foi se engessando um pouquinho."

AUDIÊNCIA

Segundo Monteiro, a fase atual "está chocando", mas também "dando muito resultado" no ibope --de fato, a audiência do programa dominical e do canal como um todo voltaram a crescer, após um período de perda da vice-liderança para a Record.

"Sinceramente, acho que ele está gagá. Mas falo isso com carinho, assim como falo da minha avozinha", diz o apresentador Marcelo Tas, que vem destacando episódios pitorescos do dono do SBT no "Top 5" de seu programa "CQC", na Band.

"O importante é ele continuar rindo dele mesmo. Faço questão de falar dele com carinho, porque todos vamos chegar aí. A diferença é que ele é o Silvio Santos, o dono do canal, então ninguém vai dizer para ele não fazer as coisas que tem feito."

"Velho ele é faz tempo", diz a atriz Lívia Andrade, a atual professora Suzana de "Carrossel" (SBT), com o mesmo humor que usou para reagir à frase de Silvio de que "gato escaldado... morre, porra", num jogo de que ela participava ("Interna!", reagiu).

"Ele continua o mesmo, não tem nada a ver com a idade, mas com o momento da TV, dos programas de humor, da aceitação do público. Palavrão, piada apimentada não são mais tão chocantes, as pessoas gostam."

Essa visão de que a nova fase de SS seria uma adaptação ao humor mais chulo que a TV importou da comédia "stand-up" é compartilhada por outros funcionários do SBT. "O Silvio Santos acompanha a onda, a modernidade. Não posso falar "pô, Silvio, você está pegando pesado", porque isso é uma coisa tão normal hoje, é moda", diz Ailton Lima, o Liminha, 47, assistente de palco do "patrão" há mais de 20 anos.

Nem tudo tem sido sorrisos na nova fase: SS, que sempre lidou bem com os incontáveis humoristas que o imitam, resolveu, em maio, processar a trupe do programa "Pânico", da Band, impedindo-a de imitá-lo e de se aproximar dele.

Lívia Andrade diz que a atitude teve lógica comercial. "Tudo tem limite. É burrice dar audiência a outra emissora que está no ar na mesma hora do seu programa."

O fato é que nem as polêmicas nem as atitudes mais grosseiras da nova fase parecem atingir a imagem de SS.

Para Tas, isso se explica pelo extenso crédito acumulado pelo apresentador em suas décadas de TV, que compensam "esses escorregões":

"Ele sempre fez esse entretenimento da família, do domingo, despretensioso. É como diz a música dele, "do mundo não se leva nada/ vamos sorrir e cantar". Ele está vivendo isso plenamente."

O BAÚ DO SILVIO

Momentos marcantes da trajetória do empresário e apresentador

1930 - Senor Abravanel nasce em 2 de dezembro, no bairro da Lapa, no centro do Rio; filho do grego Alberto Abravanel e da turca Rebeca Caro, teve cinco irmãos

1946 - Em ano de eleição presidencial, torna-se camelô, vendendo capas para títulos de eleitor canetas e outras bugigangas no Rio. "Trabalhava das onze ao meio-dia, horário em que o guarda ia almoçar. Eu tinha realmente poder de comunicação. Daí em diante, nunca mais me faltou dinheiro", disse Silvio em sua biografia

1948 - Começa a trabalhar como locutor em rádios, mas deixa o emprego para ganhar mais dinheiro montando um sistema de alto-falantes nas barcas do Rio, onde vende anúncios publicitários; cria também um bar e um bingo nas embarcações

1954 - Já em São Paulo, assina seu primeiro contrato, como locutor da Rádio Nacional; o salário baixo o leva a lançar uma revista de passatempos ("Brincadeiras para Você"), para vender anúncios, e a se tornar animador em shows de circo e comícios

1958 - Manoel de Nóbrega lhe repassa o Baú da Felicidade, então em dificuldades financeiras; Silvio transformaria a empresa em uma lucrativa cadeia de 127 lojas que chegou a faturar R$ 400 milhões por ano e que foi vendida em 2011 ao Magazine Luiza (por R$ 83 milhões), após as dificuldades financeiras causadas pelo fraude em outro de seus negócios, o Banco Panamericano, que causou um rombo de R$ 4,3 milhões

1962 - Estreia como apresentador de TV com o programa "Vamos Brincar de Forca", na TV Paulista e lança o dominical "Programa Silvio Santos"; no mesmo ano, casa-se com Cidinha, com quem teria as filhas Cíntia e Silvia; sua mulher morreria em 1977, vítima de um câncer

1975 - Em outubro, vence a concorrência do governo Ernesto Geisel para aquisição do Canal 11, do Rio de Janeiro; em maio do ano seguinte entra no ar a TVS (Studio Silvio Santos Cinema e Televisão Ltda.); por um período, apresentaria o "Programa Silvio Santos" simultaneamente nas TVs Tupi e Record, em São Paulo, e na TVS, no Rio

1981 - Casa-se com Iris Pássaro, funcionária do Baú da Felicidade; o casal teve quatro filhas: Daniela, Patrícia, Rebeca e Renata. Em março, ganha do presidente João Figueiredo a concessão de quatro canais; em agosto, nascia o SBT (Sistema Brasileiro de Televisão)

1989 - Sai candidato à presidência da República pelo nanico PMB, mas a inexistência legal do partido e o exercício patronal dentro de uma rede de televisão o impediram de se candidatar. No ano seguinte, é convidado a concorrer ao governo de SP, mas desiste; em 2002, volta a ser considerado como candidato a presidente, pelo PFL (hoje DEM), mas não chega a concorrer

2001 - É tema do desfile da escola de samba Tradição, no Carnaval do Rio; em agosto, sua filha Patrícia Abravanel é sequestrada e passa sete dias em cativeiro; é libertada após o pagamento de resgate de R$ 500 mil, mas dias depois um dos sequestradores invade a casa do apresentador em São Paulo e o mantém como refém por sete horas, até se entregar. No mesmo ano, lança o primeiro "reality show" brasileiro, "Casa dos Artistas", que bate recordes de audiência

2010 - Chega aos 80 anos no ponto mais baixo de sua carreira: o Banco Central identifica fraudes contábeis que geraram um rombo de R$ 4,3 bilhões em seu Banco PanAmericano; a instituição é vendida para o BTG Pactual por R$ 450 milhões e a Polícia Federal indicia 22 pessoas, incluindo cinco ex-diretores e um ex-presidente do Grupo Silvio Santos, sob a acusação de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, "caixa dois" e outros crimes financeiros

Fonte: Folha.com