Secco: "9 semanas e meia de Surfistinha mudaram minha vida"

Secco: "9 semanas e meia de Surfistinha mudaram minha vida"

Diretor diz estar preparado para receber críticas de apologia à prostituição.

Depois de nove semanas e meia de cenas de sexo, drogas e relatos picantes na internet a vida de Deborah Secco já não é mais a mesma. Quem garante é a própria atriz ao descrever o período das filmagens de ?Bruna Surfistinha?, longa de Marcus Baldini inspirado na história verídica de Raquel Pacheco, a ex-garota de programa famosa por detalhar em blog sua rotina com os clientes.

Deborah Secco e Marcus BaldiniA atriz Deborah Secco e o diretor Marcus Baldini durante a apresentação de "Bruna Surfistinha", em Florianópolis. (Foto: Geraldo Protta/Divulgação)

?Para todo trabalho que fiz doei um pouco de mim. Mas nunca havia me doado tão intensamente. Mergulhei na preparação, cheguei ao set virgem de qualquer vício de interpretação?, definiu Deborah em entrevista realizada na quinta-feira (28), em Florianópolis. ?Nove semanas e meia de ?Surfistinha?mudaram minha vida. Fiz coisas que talvez nunca mais faça novamente?.

Nessa lista Deborah não inclui nudez ou sexo ? ela beija e acaricia outra atriz, rebola vulgar num balcão de bar, entre outras ousadias no filme. Mas não foram esses os maiores desafios para ela.

?A cena da overdose foi a mais complicada. Nunca usei drogas, não sabia como tornar convincente o momento em que a personagem cheirava cocaína. Pedi orientações para um médico, para que me explicasse os efeitos, as reações que a droga causa?, relembra. ?Fazer cena sensual não foi tão difícil. Já fiz outras mulheres sexies e sei como emprestar um pouco da minha sensualidade para que a cena fique realista?.



Deborah também cita as filmagens na região da Cracolândia e as conversas francas que teve com garotas de programa no período de preparação de sua ?Surfistinha?. ?Ouvi história de mulheres que se prostituem para criar o filho, vi meninas com o olhar já anestesiado pela dor, e também vi outras que encaram apenas como uma escolha. Elas são todas guerreiras, não prejudicam ninguém, só a elas mesmas?, opina.

Cansei de ser sexy

Diferente da maioria dos filmes que abordam a prostituição, Baldini diz que procurou não fazer julgamentos, nem mostrar a trajetória de Bruna como um pesar sem fim. ?Toda moeda tem dois lados. A Bruna sofre, paga um preço alto por suas escolhas, mas ela também se diverte, tem seus bons momentos?.

Foram nessas passagens que o diretor inseriu sua experiência na publicidade e nos videoclipes para garantir o dinamismo da história. O filme mostrará Surfistinha dançando em inferninhos ao som de Cansei de Ser Sexy e Groove Armada, ou retocando a tintura do cabelo ouvindo um reggaeton. Tudo isso tendo como cenário lugares como as avenidas Paulista, Augusta, Consolação, entre outros pontos de São Paulo.

?É um filme pop, bem paulistano, que fala com a juventude e tem uma linguagem moderna. Afinal, por mais que a personagem seja controversa em suas escolhas, estamos falando dos dilemas de uma garota de 17 anos da classe média?.

Baldini sabe que o caminho é arriscado e diz estar preparado para as críticas que possam vir após o lançamento da produção, marcado para fevereiro de 2011. ?Sei que alguém pode dizer que o filme faz apologia à prostituição. Mas será uma crítica injusta. Ninguém sairá do cinema com vontade de seguir o caminho da Bruna, isso eu garanto?.

Um dia com a "Surfistinha"

O cineasta conta que a biografada da história não interferiu no roteiro, nem pediu modificações de cenas.

?Não fizemos um documentário sobre a Raquel. O filme é inspirado nos sentimentos dela, em passagens que um dia ela relatou no blog e no livro?, explica, citando a biografia escrita pela ex-garota de programa, "O doce veneno do escorpião" (2007). ?Ela acompanhou o processo de perto e foi muito respeitosa: entendeu que o filme é meu olhar sobre a sua trajetória?.

Deborah explica que decidiu conhecer Raquel só depois de ter sua ?Bruna pronta?. ?Nós passamos o dia juntas, foi muito prazeroso. Enquanto conversávamos, eu ia percebendo que a Bruna que desenvolvi para o filme tinha várias coisas em comum com aquela menina na minha frente?, descreve. ?Acho a Raquel de uma coragem sensacional. Ela se assumiu, dividiu com o mundo esse momento que teve na vida. Uma vida aliás que de fácil não tem nada?.

Fonte: g1, www.g1.com.br