Rio tem maior volume de chuva da história

O prefeito Eduardo Paes destacou que o grande volume de chuva foi uma surpresa

A cidade do Rio registrou entre a noite de ontem e esta terça-feira o maior acúmulo de chuva da história, em um período de 24 horas, segundo o prefeito Eduardo Paes (PMDB). Foram 278 milímetros, superando o recorde anterior, datado de 1966, que era de 245 mm.

O prefeito Eduardo Paes destacou que o grande volume de chuva foi uma surpresa, uma vez que um alerta para chuvas moderadas e ventos fortes tinha sido feito durante a tarde de ontem.

Ao todo mais de 60 pontos de alagamento foram registrados em toda a cidade nas últimas 24 horas. O prefeito destacou que a maré alta contribuiu ainda mais para que eles ocorressem. Na lagoa Rodrigo de Freitas, a prefeitura afirmou que o nível, que geralmente é de 50 centímetros, chegou a atingir 1,40 metros na manhã de hoje.

Já o secretário, Carlos Roberto Osório, da Conservação e Serviços Público, afirmou que a situação foi agravada pelo temporal ter acontecido no dia de coleta de lixo. De acordo com ele, as pessoas colocaram o lixo nas ruas, mas a chuva começou antes de o caminhão da coleta passar.

Vítimas

De acordo com os bombeiros, das 66 mortes confirmadas 30 aconteceram na cidade do Rio, sendo cinco no Andaraí, três no morro do Borel, cinco no morro dos Macacos, em Vila Isabel, três no Turano, na Tijuca, na zona norte do Rio. Já no centro, há 12 mortos no morro dos Prazeres, em Santa Teresa, e na zona oeste, há uma morte registrada em Jacarepaguá.

Em Niterói, há 22 mortes registradas. Os bombeiros informaram que o ponto mais crítico é o morro do Estado. Há várias vítimas no local. Vários bombeiros trabalham na favela para tentar resgatar pessoas que continuam soterradas ou em escombros.

O Estado também registrou 13 mortes em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. Uma morte também foi registrada em Petrópolis, na região serrana.



Serviços

Devido aos temporais, as aulas estão suspensas nesta terça-feira na cidade do Rio. Já a circulação de trens está interrompida no ramal Saracuruna em decorrência das fortes chuvas que atingem parte do Estado do Rio desde a noite de ontem.

Além disso, os trens paradores das linhas Campo Grande, Bangu e Deodoro não estão fazendo paradas nas estações Praça da Bandeira, São Cristóvão, Maracanã e Mangueira por precaução, devido às chuvas.

Nos demais ramais --Japeri, Santa Cruz e Belford Roxo--, a circulação de trens acontece com atrasos médios de 10 minutos. A Supervia destacou que todos os passageiros estão sendo informados sobre as alterações pelo sistema de som das estações.

O deputado Jorge Picciani (PMDB), presidente da Assembleia Legislativa do Rio, e o presidente da Câmara Municipal do Rio, vereador Jorge Felippe, também determinaram a suspensão das atividades nas duas casas nesta terça.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br