Ex-panicat revela que existe prostituição e humilhação no Pânico

Ex-panicat revela que existe prostituição e humilhação no Pânico

"Saí porque quase morri. Tive uma hemorragia interna após levar uma pancada na cabeça durante um jogo agressivo que fui obrigada a participar" disse.

Regiane Brunnquell, ou melhor, Sandy Capetinha, como ficou conhecida, foi a primeira panicat a fazer sucesso. Hoje, essa catarinense de 29 anos vive no anonimato como modelo em São Paulo, mas ainda sonha com a carreira na telinha. Ela não chega a renegar o passado, que inclui muitos domingos rebolando dentro de um minúsculo biquíni na TV e duas capas de revista masculina, mas se pudesse voltar atrás...

"Gostaria de ter tido oportunidade para mostrar meu instinto artístico. Sem apelação, sem chacota, sem humilhação", diz a bela.

Intérprete da polêmica personagem do ?Pânico?, Regiane entrou no programa por acaso, após vencer o concurso Sereia da Praia, em 2007 (o mesmo que revelou Nicole Bahls). Sua passagem na atração se encerrou quase um ano depois após sofrer um acidente durante a gravação de um quadro.


Sandy Capetinha revela que existe prostituição e humilhação no programa

Sandy Capetinha revela que existe prostituição e humilhação no programa

"Saí porque quase morri. Tive uma hemorragia interna após levar uma pancada na cabeça durante um jogo agressivo que fui obrigada a participar. Fiquei três dias mal. Isso ocorreu na quinta-feira. Quando foi no domingo, não conseguia entrar no programa de tanta dor. Saí da emissora carregada por bombeiros. A sorte é que eu tinha um bom plano de saúde", dispara Regiane, acrescentando que não ganhava um centavo para mostrar os atributos em rede nacional. "Foi a gota d"água para eu decidir que não queria aquilo para minha vida".

Mas nem tudo foi um inferno em sua passagem pela atração. Regiane, que já era formada em Administração, com especialização em Recursos Humanos, ganhou fãs no Brasil inteiro e estuda agora uma proposta para apresentar um programa de jovens em Miami, nos EUA e outra em Portugal. "Já que aqui no Brasil não sou valorizada...", lamuria-se. Para isso, precisa apagar de vez do seu currículo a imagem erotizada da cantora Sandy, e se livrar do olho torto que recebe sempre que vai fazer um novo trabalho.

"A Sandy Capetinha era para ser uma brincadeira, pelo fato de eu ser parecida com a cantora, mas acabou virando um deboche. E não foi ideia minha", explica a modelo, que sonha um dia poder virar esta página em sua vida. "Ali no programa acontece de tudo. Vi muito abuso de poder, meninas sendo assediadas sexualmente, tendo que mostrar o bumbum também para os integrantes do programa nos corredores só para se dar bem, prostituição, e muito ego e humilhação. Ali existe a consciência de que todas são iguais. E eu nunca topei nada disso. Mas o que importa é que eles não fazem mais parte da minha vida. Não sou amiga deles e nem dou ibope mais para o programa", diz, sem entrar em detalhes ou citar nomes.

Solteira e morando de aluguel, Regiane agora só pensa em escrever a sua própria história sem precisar usar o nome que a tornou conhecida: ?Quero explorar outras áreas artísticas e mostrar que além do bumbum eu existo. Se eu ficasse o tempo todo mostrando a bunda na TV ia acabar pegando uma pneumonia?.

Fonte: Extra