Sanfoneiros lembram 22 anos sem Gonzaga

Evento será realizado com Procissão das Sanfonas, que será realizada nesta terça

São vinte e dois anos sem Luiz Gonzaga, o pernambucano que virou símbolo da cultura musical nordestina. Mesmo passado tanto tempo, ele continua sendo lembrado e seus, fãs, ou melhor, seus fiéis seguidores, todos os anos realizam homenagens. Há três anos, acontece em Teresina a Procissão das Sanfonas. O evento vem se tornando uma marca, reunindo amantes do estilo gonzaguiano. Neste ano, o cortejo ocorrerá hoje, a partir das 15h30, com saída da Praça Saraiva, no centro da cidade.

No ano do Mestre Pedro Damásio, a procissão leva todos os sanfoneiros da Chapada do Corisco para tocarem clássicos de Luiz Gonzaga desde a Praça Saraiva, seguindo pelo calçadão da Simplício Mendes e chegando à Praça da Bandeira com muita animação e interação com os transeuntes, encerrando com o Concerto Sanfônico para Teresina. O cortejo inicia após a bênção dos sanfoneiros, em frente à Igreja das Dores.

Vagner Ribeiro, coordenador de Cultura Popular da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, foi quem teve a ideia de fazer o evento, que conta com o apoio da Prefeitura de Teresina. Feliz com a receptividade da população, ele fala sobre o procissão e como tudo começou.

Jornal Meio Norte - Como surgiu a ideia de fazer a procissão?

Vagner Ribeiro - Começou por um pedido dos teresinenses mais apaixonados por Luiz Gonzaga. Lembro bem de Wilson Seraine (talvez nosso gonzagueano mais ativo) me pedindo para coordenar a iniciativa da procissão das sanfonas. A ideia foi muito bem aceita pela população, o que me alegra, e a cada ano temos mais sanfoneiros, profissionais ou não que querem participar da homenagem.

JMN - Você esperava que ela fosse abraçada pela sociedade e se tornasse esse evento com a proporção que ele conquistou?

VR - Sim, pela credibilidade e simpatia que a sanfona inspira, eu pensei que poderíamos propor esse momento de integração através dessa herança do Rei do Baião em Teresina. Acho que ainda temos muito a aprender com os frutos e valores de uma vivência cultural inclusiva, algo realmente de participação social, representativo e significativo.

JMN - O que fez a diferença, foi o fato de existirem muitos admiradores de Luiz Gonzaga?

VR - Sim. Luiz Gonzaga representa para muitos de nós uma soma positiva de valores, riquezas locais, inteligência, nossa melhor reserva de humanidade. Há uma identificação sincera entre o universo que o velho Gonzagão cantou e o que temos de mais real em nossas memórias, em nossa história mais próxima.

JMN - Como as pessoas reagem com a passagem da procissão? O que elas podem esperar da procissão este ano?

VR - Alegria. Aquela saudável vontade de dançar quando se escuta um baião. Este ano de 2011 eu espero contar com mais participação de sanfoneiros. Também teremos mais simpatizantes do instrumento. Fico feliz por ver muitos jovens estudando sanfona. É um bom prelúdio.

JMN - Quantos sanfoneiros participam?

VR - Tenho expectativa de reunir entre 40 a 50 sanfoneiros. Estão confirmadas algumas ilustres presenças do interior do Piauí e Maranhão. O fenômeno de 8 anos Isac do Acordeon, da cidade de União (PI), Sandrinho do Acordeon (jovem de 17 anos muito premiado em vários festivais no nordeste), da cidade de Dom Inocêncio (PI), sanfoneiros de Monsenhor Gil (PI), de Timon (MA), São Luís (MA), além dos participantes da edição de 2010 que nos orgulham muito como Ivan Silva, Jeruilson, Chico União, Braga, Mestre Beija, Zaqueu Sousa, Mestre Agenor Abreu, dentre muitos outros bons sanfoneiros.

JMN - Vocês pensam, no futuro, ampliar o evento?

VR - Estamos abertos para acolher as boas ideias, sugestões e, sobretudo, a boa vontade dos que fazem a homenagem, dos que são a própria festa.

JMN - Esse ano tem um sanfoneiro homenageado. Qual o critério de escolha?

VR - O homenageado, já falecido, é o sanfoneiro Pedro Damásio. Foi um sanfoneiro muito requisitado em Teresina e região. Tocava com o Conjunto Regional Damásio. Interessante imaginar sua sanfona tocando nas barquinhas descendo o Rio Parnaíba e o povo ribeirinho atento a cumprimentar sua passagem. Pedro Damásio, juntamente com Beijinha do Acordeon, era um dos melhores animadores de festas tocada por sanfona em Teresina na segunda metade de século passado. Em 2012 faremos uma festa ainda maior, uma vez que estaremos celebrando o centenário de Luiz Gonzaga. Quanto ao critério de homenagem, penso na possibilidade de contemplar a memória de nossos amantes da sanfona. Estamos abertos para sugestões. Salve nossa música mais popular!

Fonte: Liliane Pedrosa, Jornal Meio Norte